Quase duas toneladas de fios de cobre são apreendidas em operação em SC

Seis pessoas foram presas e 10 comércios autuados; Mafra foi uma das cidades em que teve a maioria das apreensões.

Enviar no WhatsApp
Quase duas toneladas de fios de cobre são apreendidas em operação em SC

Foto: Polícia Civil/Divulgação

Quase duas toneladas de fios de cobre foram apreendidas durante uma operação conjunta da Polícia Civil em conjunto com a Celesc realizada na manhã de terça-feira (21). A maioria das apreensões aconteceu nas cidades de Mafra, no Planalto Norte, Blumenau e Balneário Camboriú. 

A Operação Apolo, de combate aos furtos e à receptação de fiação elétrica no Estado, foi realizada em 28 municípios catarinenses. No total, 168 estabelecimentos foram fiscalizados e 10 foram autuados. Além disso, seis pessoas foram presas nas cidades de Chapecó, Blumenau, Indaial e Palhoça.

De acordo com a Polícia Civil, a ação faz parte de uma intensificação contra esse tipo de delito, que vem causando transtornos à população e riscos no fornecimento de energia, além de prejuízo.

Segundo Cleicio Poleto Martins, presidente da Celesc, as ocorrências relacionadas aos furtos podem deixar milhares de unidades consumidoras sem energia, incluindo hospitais, portos, residências e grandes indústrias, como foi o caso recente de tentativa de furto da Subestação Itajaí-Fazenda, onde 53 mil unidades ficaram sem energia. 

— O episódio fez com que a empresa tivesse que investir mais de R$ 9 milhões para recomposição da citada subestação — disse. 

Neste ano de 2021, segundo Poleto, já foram registradas mais de 2.300 ocorrências relacionadas a furto qualificado em instalações da Celesc.

Inquérito em andamento

Pela Polícia Civil, há um inquérito em andamento na Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) sobre as apurações dos crimes. A operação também conta com trabalhos da Diretoria de Inteligência da Polícia Civil. Em Florianópolis, a ação contou com o apoio da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core).

— Estamos intensificando os trabalhos de inteligência visando identificar alguns locais suspeitos e a partir daí realizando os trabalhos in-loco. Essa ação vai continuar sendo feita pelo Estado — ressaltou o delegado-geral da Polícia Civil de Santa Catarina, Marcos Flávio Ghizoni Júnior.

De acordo com o delegado da Delegacia Fazendária, Pedro Mendes, que participa da fiscalização na Grande Florianópolis, a ação acontece em todo o Estado a partir de locais identificados pela inteligência e ao final do dia deverão ser divulgados mais informações.

 

Por Sabrina Quariniri

AN / NSC Total 

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo