Juíza de SC ordena prisão da esposa que congelou marido e quebra sigilo telefônico

A acusada disse que decidiu tirar a vida do companheiro por não suportar mais ser agredida, humilhada e perseguida pelo homem

Enviar no WhatsApp
Juíza de SC ordena prisão da esposa que congelou marido e quebra sigilo telefônico

Divulgação de entrevista no You Tube a um programa policial - Imagem: Reprodução

 

A Justiça de Santa Catarina determinou, nesta segunda-feira (21), a prisão temporária de Claudia Tavares Hoeckler, de 40 anos, acusada de matar o marido Valdemir Hoeckler, de 52 anos, há uma semana. O corpo dele foi encontrado congelado no freezer de casa em Lacerdópolis/SC.

“É até difícil dizer, mas agora vou cumprir a minha pena, vou para a cadeia, mas eu nunca me senti tão livre", disse ela.

O pedido de prisão temporária foi decretado pela juíza Flávia Carneiro Paris, da comarca de Capinzal, que, em regime de plantão, também autorizou a quebra do sigilo telefônico e o acesso aos dados de Claudia.
 

"É uma liberdade, não sei explicar, mas hoje olho para as pessoas e eu me sinto um monstro”, declarou Cláudia.

Em nota à imprensa, a Justiça de SC disse que o crime apurado se trata, em princípio, de homicídio qualificado por meio que dificultou a defesa do homem, já que ele foi encontrado com uma lesão na nuca. A esposa comunicou o desaparecimento do marido no dia 15 de novembro.

 

O crime

O corpo de Valdemir Hoeckler foi encontrado na noite de sábado (19) no freezer de sua casa em Lacerdópolis, cidade no Meio-Oeste de Santa Catarina. Ele estava desaparecido desde a segunda-feira (14), quando não apareceu para trabalhar, no entanto, o crime teria ocorrido ainda na noite de domingo (13).

Em seu primeiro depoimento, ainda na sexta-feira (18), antes de ser considerada suspeita do crime, Claudia disse que saiu de casa primeiro e o marido sairia em seguida, rumo ao compromisso de trabalho. Contudo, ele não foi ao encontro e a família começou a procurá-lo.

A polícia informou que no depoimento ela apareceu com hematomas e marcas de agressão no braço. Questionada sobre a origem dos ferimentos, ela não soube explicar — mas aceitou fazer o exame de corpo de delito, de acordo com o delegado.

Após cinco dias de buscas, a Polícia Civil encontrou o corpo do motorista no freezer na própria casa. A mulher permitiu a busca — mas não estava lá e permaneceu desaparecida até se entregar.

 

Detalhes do crime

Em entrevista exclusiva neste domingo (20) ao canal de Beto Ribeiro, conhecido por realizar entrevistas e vídeos sobre crimes em todo Brasil, a esposa de Valdemir Hoeckler, confessou o crime e disse que decidiu tirar a vida do companheiro por não suportar mais ser agredida, perseguida e humilhada pelo homem.

Claudia, natural de Chapecó, explicou como matou o marido, citou que vivia pressão psicológica constante no casamento e alegou ter sofrido agressões morais, físicas e sexuais dele. Disse ainda que a ameaçava de morte e dizia que ia lhe tirar a filha caso denunciasse os abusos à polícia. Eles estavam juntos há 23 anos e tem uma filha, que atualmente tem 22 anos.

“Ele não me deixava fazer nada, simplesmente eu não tinha vida própria. Eu não podia sair com as amigas. Eu ia ao salão fazer o cabelo e tinha que sair com o cabelo molhado, porque ele estava me enchendo o saco por estar demorando. Tinha que correr contra o tempo, a minha vida sempre foi sob pressão”, afirmou Claudia.

Disse que não planejou o crime, apesar de estar descontente com as constantes perseguições do marido e das diárias agressões físicas e morais. Dias antes, segundo ela, o marido apareceu repentinamente em uma confraternização com colegas professoras em uma pizzaria, o que lhe deixou incomodada.

“Ele tinha me dito que ia ficar em casa, fiz uma chamada de vídeo alguns momentos antes e, de repente, ele apareceu lá na pizzaria. Fiquei bem chateada, ficou como se eu não tivesse contado a ele. Mostrei todos os meus passos para ele, fui relatando tudo”.

No domingo, momentos antes de matar o marido, Claudia pediu a ele se poderia viajar com colegas professoras para uma excursão.  “Ele me bateu e disse que se eu fosse ele ia me buscar e me matar. Ele disse: se eu acordar e você não estiver em casa, eu mato você”, conta. “Aí eu pensei, se alguém vai morrer, que seja você”.

 

Sacola plástica para matar

Claudia contou na entrevista que fez o marido dormir com um remédio que o sogro, que já faleceu, tomava. “Dei remédio para dormir e o sufoquei, foi tudo repentino. Dei com os outros remédios que ele tomava duas vezes ao dia”.

Ela conta que ficou por cerca de uma hora pensando no que ia acontecer quando o marido acordasse e com medo de apanhar novamente. “Fiquei pensando que eu não aguentava mais aquela vida que eu estava levando”.

Então, sem planejar muito, usou uma sacola plástica para matar o companheiro. “Na hora peguei a sacola de mercado e coloquei na cabeça dele, porque eu não tinha coragem de fazer de outro jeito, machucar. Fechei a boca dele”.

A mulher diz que tentou parar em alguns momentos, mas sentiu medo e por isso seguiu em diante. “Se eu parasse e ele acordasse, ele ia me matar, aí era eu ou ele”.

Ela disse que agiu sozinha e teve forças suficientes para colocar o marido no freezer. “Eu queria esconder ele, então peguei o lençol, joguei ele em cima do lençol e arrastei ele até o freezer”. Depois, foi viajar com as colegas, mas não conseguiu aproveitar a viagem e logo retornou.

“É até difícil dizer, mas agora vou cumprir a minha pena, vou para a cadeia, mas eu nunca me senti tão livre. E sinto que a minha filha está mais segura.  Sei que vou parar de apanhar e ser agredida tanto fisicamente como psicologicamente. É uma liberdade, não sei explicar, mas hoje olho para as pessoas e  eu me sinto um monstro”, completa.

 

Por Willian Ricardo de Chapecó / nd+

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo