Secretário de Saúde de SC fala sobre plano de regionalização da quarentena que dará autonomia a municípios

Previsão do governo é que a partir de segunda-feira cidades possam decidir sobre a flexibilização de serviços.

Enviar no WhatsApp
Secretário de Saúde de SC fala sobre plano de regionalização da quarentena que dará autonomia a municípios

O secretário de Saúde André Motta Ribeiro (Foto: Mauricio Vieira, Secom)

O secretário de Saúde de Santa Catarina, André Motta Ribeiro, falou na manhã desta quinta-feira (28), em entrevista ao Bom Dia Santa Catarina, da NSC TV, sobre a estratégia de regionalização das medidas de combate ao coronavírus.

Esse novo plano que será adotado pelo governo, previsto para ter início na próxima segunda-feira (1º), vai dar autonomia aos municípios para decidir sobre a flexibilização ou não da quarentena. A circulação de ônibus, as aulas e eventos, que seguem proibidos no Estado, estão incluídos nesse pacote.

André Motta Ribeiro justificou que a nova estratégia se faz necessária porque a expansão do vírus pelo Estado ocorre de forma desigual. Ele explicou que o plano de ação contará com uma ferramenta de banco de dados para auxiliar as regiões a tomarem as decisões.

O secretário esclareceu que, com essa nova estratégia, caberá aos prefeitos darem a palavra final sobre a flexibilização ou não de serviços nas cidades, e que o Estado definirá a forma como essas liberações deverão ser feitas.

- A ferramenta vai apontar o risco sanitário e identificar uma série de ações que precisam ser tomadas regionalmente. Nesse primeiro momento, vai identificar o que já está posto de ação restritiva e entender se essas ações permanecem, se elas vão ser aumentadas, e também prevê a flexibilização – comentou.

- Nós vamos apontar o risco. É obrigação do Estado apontar a forma como os serviços devem ser flexibilizado ou não. A dose (das restrições) depende do gestor local, que conhece melhor a sua realidade – disse ainda Motta.

Questionado sobre a possibilidade de os municípios não acatarem as orientações, como ocorreu recentemente com recomendações feitas pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) a cidades do Oeste catarinense, o secretário André Motta Ribeiro argumentou que o momento agora é diferente, porque este novo modelo está sendo amplamente discutido com os municípios.

 

Por Guilherme Simon

DC / NSC Total

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo