Justiça Eleitoral de SC tira do ar site que fazia enquetes eleitorais em todo o país

Enviar no WhatsApp
Justiça Eleitoral de SC tira do ar site que fazia enquetes eleitorais em todo o país

Enquetes são proibidas pela legislação eleitoral no Brasil (Foto: Arquivo NSC Total)

 

Decisão da Justiça Eleitoral de Santa Catarina, nesta semana, tirou do ar em todo o Brasil um site que fazia enquetes eleitorais das Eleições 2020. O portal "Eleições.Site" foi questionado em pelo menos quatro ações em todo o país, mas a primeira determinação contrária ao espaço foi da 24ª Zona Eleitoral de Palhoça, na Grande Florianópolis. O juiz eleitoral Luís Felipe Canever determinou na terça-feira (27) que o site fosse retirado do ar em até 48 horas, o que já foi feito.

O pedido partiu do escritório de advogados Bressan, Serpa, Prezotto e Schelp, de Florianópolis. As enquetes eram feitos em todas as cidades do país, como um endereço específico para cada local com a intenção de medir o percentual de votos dos candidatos a prefeito e vereador. Esse tipo de ferramente é vedado pela legilação eleitoral brasileira.

O juiz disse na decisão que "além da desobediência expressa à lei eleitoral, a conduta dos responsáveis pela criação e manutenção do sítio viola os direitos individuais garantidos pela Constituição virtualmente de todos os cidadãos brasileiros e, utilizando-se de expediente insidioso, dificultam a atuação dos poderes públicos".

Um decisão também da terça-feira, em Santo Amaro da Imperatriz, na Grande Florianópolis, também havia determinado a retirada do site do ar, mas apenas para a enquete relacionada ao município. Dois dias antes, o juiz Luiz Henrique Bonatelli, de Florianópolis, decidiu pela derrubada do espaço que fazia a pesquisa na Capital.

Citado no processo de Florianópolis e de Palhoça, o Núcleo de Informação do Ponto BR, que é a associação criada em 2005 para o registro dos domínios de site no Brasil, afirmou que não teria como interferir já que o site não tem o ".br". A alegação da empresa é de que o site está hospedado "em algum centro de dados do mundo".

O portal, de acordo com os advogados do processo de Palhoça, está fixado nos Estados Unidos, sem informações sobre os criadores.

 

Por Ânderson Silva

NSC Total

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo