Governo de SC pode anular compra de mais 100 respiradores vindos da China

Falta de registro para importação é apontado como problema também na aquisição de equipamentos negociada com a empresa Intelbras.

Enviar no WhatsApp
Governo de SC pode anular compra de mais 100 respiradores vindos da China

Estado aguarda por lote de 100 respiradores comprada por empresa de SC (Foto: Freepik)

Depois de não receber os 200 respiradores comprados por R$ 33 milhões junto à empresa Veigamed, o governo do Estado pode cancelar a compra de outros 100 ventiladores pulmonares, feita pela empresa catarinense Intelbras.

Um parecer da assessoria jurídica da Secretaria de Estado da Saúde recomenda a anulação da dispensa de licitação firmada pelo Estado com a Intelbras para a aquisição dos 100 equipamentos, em 31 de março. O valor da compra é de R$ 7,1 milhões, mas o Estado somente pagaria esse valor após a entrega dos equipamentos, o que ainda não ocorreu.

A recomendação pela anulação da compra foi divulgada nesta terça-feira (8) em reportagem do portal The Intercept Brasil.

O Diário Catarinense já havia antecipado detalhes da compra dos 100 respiradores feita pelo Estado com a Intelbras em reportagem do dia 21 de maio. Na ocasião, a Intelbras alegou que havia adquirido os equipamentos na China antes de haver registro de importação na Anvisa em nome de outra empresa, a Exxomed. O caso foi citado na CPI dos respiradores à época por ter um valor menor pago por equipamentos em comparação com o contrato firmado com a empresa Veigamed. O Estado pagaria cerca de R$ 70 mil por respirador na compra feita pela Intelbras, enquanto os equipamentos comprados com a Veigamed custaram R$ 165 mil.

A análise jurídica da Secretaria de Saúde se baseia em outro relatório, da Superintendência dos Hospitais Públicos Estaduais, que questiona o fato de a Intelbras não possuir o registro para importação do modelo de respirador VG70, da fabricante chinesa Aeonmed, junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Sem esse registro, a Intelbras estaria impedida de importar os respiradores e, segundo o parecer, os equipamentos também não teriam garantia do fabricante.

A única empresa que possui registro para importação do VG70 é a Exxomed, de São Carlos, no interior paulista. Questionada pelo Estado, a Exxomed negou qualquer autorização concedida à Intelbras para a aquisição desses respiradores. Foi a empresa também quem alertou a superintendência sobre os riscos de perda de garantia em caso de compra de respiradores sem o registro.

A recomendação da assessoria jurídica foi encaminhada para o gabinete do secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, que ainda não se manifestou.

 

Empresa alega que registro foi concedido após compra

No mês passado, questionada sobre a compra, a Intelbras havia informado em nota que a Exxomed obteve o registro depois da empresa catarinense comprar os respiradores na China. Segundo dados da Anvisa, a Exxomed obteve a autorização para importação do modelo VG70 em 27 de março.

O Estado firmou um protocolo de intenções com a Intelbras se comprometendo a pagar pelos produtos após a entrega no dia 24 de março, três dias antes da obtenção do registro pela Exxomed. Já a dispensa de licitação com os detalhes da compra foi firmada pelo Estado no dia 31 de março, três dias depois da empresa paulista já ter a autorização exclusiva para importação do modelo. A autorização do Estado para a Intelbras negociar os equipamentos saiu ainda depois, em 1º de abril.

A falta de registro de importação já foi um problema na compra dos 200 respiradores com a empresa Veigamed, alvo de investigação que já teve seis prisões preventivas decretadas no último sábado, incluindo a do ex-secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba.

Sem possuir o registro de importação, a Veigamed e as empresas contratadas por ela para trazerem os respiradores da China ao Brasil não conseguiram liberar os produtos no terminal do aeroporto de Florianópolis. Por isso, a Receita Federal decretou o perdimento da carga e doou os respiradores ao governo do Estado, que já era o destinatário final da encomenda.

 

Respiradores ainda não chegaram ao Estado

Dispensa de licitação prevê valor de R$ 7,1 milhões pelos 100 respiradores

Dispensa de licitação prevê valor de R$ 7,1 milhões pelos 100 respiradores (Foto: Reprodução)

 

No caso dos respiradores da Intelbras, a última informação repassada pela empresa foi de que os produtos ainda estariam na China e a previsão era de que 50 equipamentos seriam entregues até o fim de maio e a outra metade, na primeira quinzena de junho. Até o momento, nenhum desses ventiladores pulmonares chegou ao Estado.

A Intelbras afirma que adquiriu os respiradores por possuir contatos com o mercado da China, em uma negociação intermediada pela Federação das Indústrias de SC (Fiesc) e com consultoria da Associação Catarinense de Medicina (ACM).

 

Por Jean Laurindo

DC / NSC Total

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo