Governo de SC discute formas de alertar moradores sobre tornados, diz secretário

Além de atender desabrigados, Estado tenta auxiliar empresas impactadas.

Enviar no WhatsApp
Governo de SC discute formas de alertar moradores sobre tornados, diz secretário

Casa totalmente destruída em Água Doce (Foto: Flavio Vieira Junior/DCSC/ Divulgação)

 

Após a passagem de dois tornados por cidades de Santa Catarina na última sexta-feira (14), o governo do Estado discute formas de melhorar alertas meteorológicos. Além de atender feridos, desalojados e desabrigados, uma das preocupações também é com o emprego das pessoas, já que muitas empresas tiveram estruturas danificadas pelo temporal. 

— Fiquei bastante preocupado com a quantidade de famílias que foram atingidas nesses municípios. Em Tangará, fiquei muito preocupado com os empregos das pessoas, por isso a gente já ligou pro governador, que acionou presidente do Badesc e BRDE para fazer essa assistência para as empresas, para que não pare a economia lá e não gere um problema maior no futuro – afirmou o secretário estadual de Defesa Civil João Batista Cordeiro Júnior, em entrevista ao Bom Dia Santa Catarina desta segunda-feira (17).

Segundo Cordeiro Júnior, os municípios de Água Doce, Vargem Bonita, Tangará e Irineópolis decretaram situação de emergência.

Em todo estado, foram 16 feridos, 848 desabrigados, 650 desalojados e uma morte. Ao menos 27 municípios registraram estragos. De acordo com a Defesa Civil, em todo o estado, mais de 4 mil residências foram afetadas, 57 locais públicos, além de ao menos 100 locais particulares, como empresas.

Para amenizar impactos dos tornados, está em discussão em SC o Plano estadual de Proteção e Defesa Civil e o Plano Estadual de Redução de Riscos com o apoio da UFSC e da Udesc, segundo Cordeiro Júnior. Além disso, um sistema de alerta de meteorologia, hidrologia e de tornados, conforme o secretário de Defesa Civil.

— Fizemos uma reunião importante dias atrás com a Agência Espacial Brasileira e outros segmentos relacionados a monitoramento, alerta, meteorologia e hidrologia, para que avancemos nessas questões, em sistemas que nos permitam melhorar nos alertas com relação aos tornados – afirmou.

Cordeiro Júnior também mencionou a importância de políticas públicas para que as edificações estejam preparadas para estes fenômenos meteorológicos, a exemplo de países como os Estados Unidos.v

 

Por Juliana Gomes

CBN / NSC Total

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo