Família de Leão Baio faz "visita inesperada" em Pouso Redondo e assusta moradores

Os animais atacaram porcos e galinhas

Enviar no WhatsApp
Família de Leão Baio faz "visita inesperada" em Pouso Redondo e assusta moradores

Foto: Reprodução Internet

 

Durante essa semana imagens de porcos e galinhas mortos circularam nas redes sociais na região do Alto Vale. O fato era apontado como o ataque de um animal ao um chiqueiro e galinheiro, ocorrido no município de Pouso Redondo. O jornalismo da Rádio Sintonia buscou informações e apurou o caso. 

Sim!! O fato aconteceu!! Foi em Pouso Redondo, no final de semana entre os dias 2 e 5 de setembro.

Também nas redes sociais alguns relatos diziam que o ataque teria sido feito por tigres, lagartos... Mas na verdade, eram onças-pardas ou pumas (nome científico: Puma concolor), também conhecidas no Brasil por suçuarana e leão-baio. 

Conversamos com Fabricio Meriz, Diretor de Comunicação da Associação Protetora dos Animais de Pouso Redondo - APAPRE, que acompanha o caso. Ele contou que soube do ocorrido na quarta-feira (7), por meio de um grupo de whatsapp.

Segundo ele, as "visitas inesperadas" começaram na sexta-feira (2). Foram avistados pelo menos três leões, um deles sendo adulto e os outros filhotes.

A proprietária dos animais atacados, mora no Loteamento Vila Formosa, no Bairro Planalto. Nos fundos da casa ela cria porcos e galinhas. E esse local, fica bem próximo a uma área de preservação permanente. Logo, a área se confunde entre perímetro urbano, rural e silvestre, segundo explicou Fabrício. 

Ele contou que o estilo de predação demonstrou que os animais foram abatidos e arrastados. As galinhas estavam espalhadas pelo terreiro. Os porcos, eram três, e estavam em um chiqueiro onde as tábuas foram pregadas de dentro para fora e por isso os leões não conseguiram remover as presas do local.

Como não havia estrutura adequada de locação dos animais de criação como chiqueiro totalmente fechado e galinheiro de tela firme, a leoa encontrou oportunidade perfeita para atacar. 

É orientado nestes casos a utilização de cerca elétrica, luzes piscantes e rádio ligado constantemente afim de afugentar tais predadores. 

"São animais bem ariscos, não há relatos de ataques a seres humanos", disse ainda Fabrício. 

"A teoria é que pelo menos um dos filhotes seja macho e que haja um macho adulto na última área em que estava a mãe, obrigando a evasão do território e evitando assim o conflito entre os machos", disse Fabrício. Ele segue realatando que, "os filhotes, presume-se que estejam em fase juvenil já, pois perderam a coloração pintada característica dos recém-nascidos". 

 

Monitoramento 

O Diretor de Comunicação da APAPRE vêm mantendo contato constante com a Polícia Militar Ambiental, Instituto do Meio Ambiente (IMA) e ICMBio/CENAP (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos - autarquia federal criada à partir da reestruturação do IBAMA.
Uma troca: ele repassa informações e recebe informações de como proceder.  

A retirada dos animais do local só é considerada em caso de algum estar ferido, doente ou filhotes desgarrados. O que não é o caso de Pouso Redondo. Dessa forma, segundo a Polícia Ambiental, os animais permanecerão sem tentativa de resgate e transferência, pois soltos em outra área, podem adentrar o território de outros da mesma espécie, causando um desequilíbrio.

Ainda para coibir a caça, uma equipe da polícia instalou armadilhas fotográficas e isolou o local, para tentar a comprovação registrada da incidência do animal.  

 

Animais são protegidos por lei - Crime cometido em 2018 em Agrolândia foi punido com multa de R$ 743 mil para cada um dos caçadores  

Caçadores que mataram duas onças em uma área de floresta de Mata Atlântica em Agrolândia, Santa Catarina, foram punidos. 

O caso veio a tona em 2018. Um vídeo mostrava um dos caçadores exibindo a cabeça de um filhote. Na época, ao antigo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), os caçadores teriam alegado que o vídeo era antigo. 

Um dos caçadores era servidor municipal em 2018 e ex-vereador de Agrolândia. Ele e outro caçador foram multados em R$ 743 mil cada um por matar mãe e filhote de onça. 

A decisão da multa levou em conta a ameaça de extinção e também a caça proibida - situações que permanecem inalteradas. As onças foram mortas de forma cruel, agredidas com pauladas e atacadas por cães de caça dos criminosos. Depois, foram mortas com armas de fogo. Uma delas foi decapitada.

 

Brasil: População de Puma (suçuarana, leão-baio)  

- O ICMBio catalogou até o momento 3.489 animais.

- Pesam em idade adulta, cerca de 75 quilos e o comprimento é de 90cm a 2,30cm.

- A ninhada é de 1 a 6 filhotes depois de 95 dias de gestação. Podem viver até 20 anos.  

O animal é um predador típico da região Sul do Brasil, mas cada vez mais raro.

O leão-baio aparece na lista oficial de espécies ameaçadas de extinção do Ministério do Meio Ambiente e está também na chamada "lista vermelha" da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

 

Por Isabel Caetano/Rádio Sintonia FM

 

 


 

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo