Prefeito de Itapoá é preso na Operação Mensageiro do MPSC e Gaeco; com ele, são 4 os presos nesta semana

Até agora, mais de R$ 1,3 milhão de reais foram apreendidos, localizados nas residências e nos locais de trabalho dos alvos investigados

Enviar no WhatsApp
Prefeito de Itapoá é preso na Operação Mensageiro do MPSC e Gaeco; com ele, são 4 os presos nesta semana

Marlon Neuber foi eleito para o segundo mandato em Itapoá – Foto: Divulgação/ND

 

Mais um prefeito foi preso na Operação Mensageiro. Marlon Nebuer (PL), prefeito de Itapoá,  no Litoral Norte de Santa Catarina, foi detido na madrugada desta sexta-feira (9) quando voltava de uma viagem no exterior. A ordem de prisão preventiva partiu da desembargadora do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, Cinthia Beatriz da Silva Bittencourt Schaefer.

A prisão se deu por conta da suspeita de recebimento de propina por parte do prefeito Marlon da empresa Serrana, prestadora de serviços relacionados ao gerenciamento de resíduos.

A prisão de Marlon ocorreu na continuidade das ações da operação deflagrada na terça-feira (6/12) pela Subprocuradoria-Geral para Assuntos Jurídicos, por meio do Grupo Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) e do Grupo Especial Anticorrupção (GEAC) do MPSC.

A prisão do investigado foi realizada às 3h20 no pedágio de Garuva após monitoramento realizado pelas equipes do GAECO Ministério Público do Paraná (MPPR) e MPSC com o acompanhamento do GEAC e apoios da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o apoio da Secretaria de Estado de Administração Prisional (SAP). Participaram da ação nove agentes do GAECO do MPPR e sete agentes do GAECO do MPSC.

O prefeito foi ouvido de forma presencial em audiência de custódia na sede do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). Durante a audiência, foi mantida a prisão pelo TJSC.

Até o momento, a Operação Mensageiro cumpriu 16 mandados de prisão e 109 mandados de busca e apreensão. Foram mais de R$ 1,3 milhão de reais apreendidos em espécie, localizados nas residências e nos locais de trabalho dos alvos investigados.

Também foram recolhidos para perícia 58 computadores, 85 aparelhos de telefone celular e 140 mídias eletrônicas. Os bens de 25 empresas e 11 pessoas físicas foram bloqueados por ordem do TJSC em mais de R$ 282 milhões.

 

O outro lado

A assessoria de comunicação da Prefeitura de Itapoá foi procurada para se posicionar. Informou que ainda não tem nada de oficial.

 

Por Redação ND Joinville

 

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo