Momento Brasil: “O país vai entrar nos trilhos nos próximos três anos”

Afirmação é do vice-presidente Hamilton Mourão em evento promovido pela ACAERT.

Momento Brasil: “O país vai entrar nos trilhos nos próximos três anos”

Foto: José Simensi/Divulgação

 

Para uma plateia de líderes empresariais e políticas, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, destacou nesta sexta-feira (19) que o país deve entrar nos trilhos em no máximo três anos. A afirmação foi feita durante palestra do Momento Brasil, evento para convidados promovido pela Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão – ACAERT, na sede da FIESC, em Florianópolis.

Disse que o Brasil precisa sair deste momento conturbado nas áreas da política e economia. Para isso, defendeu a retomada do crescimento com uma agenda de produtividade. Citou a aprovação do texto base da Reforma da Previdência com uma das medidas urgentes. Defendeu a privatização que pode rende R$ 500 bilhões, além de destacar a reforma tributária. Mourão acredita que o país está iniciando uma era de desenvolvimento sustentável com as medidas implantadas nos primeiros 200 dias de governo Bolsonaro.

O vice-presidente falou por uma hora, quando apresentou uma reflexão da história mundial e particularmente da América do Sul. Em vários momentos, o vice-presidente foi interrompido pelas palmas da plateia. Sobre a crise econômica, Mourão criticou o projeto de poder dos governos do PT que levou o Brasil ao endividamento. “Desde 2014, estamos no vermelho. A luta da nossa gestão econômica é trazer nossa conta para o azul”.

No final, o vice-presidente voltou a destacar a democracia como um dos pilares fundamentais da civilização. “Aqui, temos três vertentes que consideramos fundamentais: clareza, pois todos têm que entender o que o governo deseja; determinação para levar adiante, e paciência para o diálogo, pois a política só se constrói com diálogo”, afirmou.

Mídia Regional - O presidente da Acaert, Marcello Corrêa Petrelli, lembrou que no Estado a aliança de Bolsonaro e Mourão fez mais de 70% dos votos no segundo turno e que, por isso, existe uma relação de confiança e de expectativa dos catarinenses com o governo.

Ele descartou a apresentação de reivindicações locais ao vice-presidente no encontro, mas afirmou a intenção de pedir uma maior presença dele e do presidente em Santa Catarina e de uma compreensão sobre problemas como o retorno dos impostos arrecadados no Estado.

— A responsabilidade da mídia e da imprensa regional é criar esse relacionamento para que a gente possa ter o entendimento do que são os propósitos, os interesses e os entendimentos do governo federal e levar a população. Fazer esse canal de comunicação entre aquilo que se precisa fazer e o que se precisa compreender, para que haja uma sintonia como foi no caso da reforma da Previdência — pontuou.

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, esteve na abertura da palestra mas teve que se ausentar em seguida. Os deputados federais Hélio Costa (PRB) e Daniel Freitas (PSL) e o senador Dário Berger (MDB) estavam entre os presentes à palestra de Mourão, na Fiesc, bem como o ex-senador Paulo Bauer (PSDB), assessor especial da Casa Civil da Presidência, além de secretários do Estado: Douglas Borba (Casa Civil), Ricardo Dias (Comunicação) e o coronel Araújo Gomes (Conselho Superior de Segurança Pública), e o deputado estadual Onir Mocellin (PSL).

Também presitigiaram o evento o presidente do TRE, que também representava o Tribunal de Justiça, desembargador Cid Goulart Júnior; o presidente do TCE, conselheiro Adircélio de Moraes Ferreira Júnior; o procurador-geral de Justiça, Fernando Comin; o presidente da Fecomércio, Bruno Breipthaupt; o prefeito em exercício da Capital, João Batista Nunes (PSDB); o presidente em exercício da CNI, Glauco José Côrte; o presidente em exercício da Fiesc, Gilberto Seleme e a vice-presidente da Abert, Marise Westphal Hartke.

 

Assessoria de Imprensa ACAERT

Outras Notícias

PUBLICIDADE