Rosa Weber diz que TSE está aprendendo a lidar com 'fake news'

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral destacou o trabalho que a Corte vem desenvolvendo para lidar com boatos na internet.

Rosa Weber diz que TSE está aprendendo a lidar com 'fake news'

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber (Foto: Nelson Jr/Ascom/TSE)

 

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afirmou neste domingo (7) que a Corte ainda está apreendendo a lidar com as chamadas "fake news", ao ser questionada sobre o trabalho que vem sendo feito no combate a boatos disseminados na internet.

“De fato, ‘fake news’ é o assunto do momento. O que a Justiça Eleitoral está fazendo? No primeiro momento, aprendendo a lidar com ‘fake news’. Neste primeiro momento, foi compreender o que é uma ‘fake news’”, afirmou a ministra.

Em entrevista à imprensa, ela listou iniciativas tomadas desde o ano passado pelo TSE para entender o fenômeno, que disse, não é exclusivamente brasileiro. Lembrou de um seminário internacional realizado no início do ano com especialistas estrangeiros e brasileiros.

“O que o TSE está fazendo? O TSE está não está fazendo nada? Não, ele está fazendo. Primeiro, ele está entendendo o fenômeno, porque o fenômeno não é de fácil compreensão, não é de fácil prevenção, e não é problema brasileiro. Mas o TSE está atento”, disse.

Conferência dos resultados

A ministra também foi questionada sobre iniciativa de vários eleitores de fotografarem e espalharem nas redes sociais os boletins de urna emitidos nas seções eleitorais espalhadas no exterior que já encerraram a votação.

A ideia é possibilitar a conferência dos votos registrados naquela máquina com o resultado a ser divulgado pelo TSE.

“Cada urna, no momento em que encerrada a votação, ela emite um boletim que é público, justamente para que cada eleitor possa fazer a conferência. Para isso que existem os aplicativos”, afirmou.

O próprio TSE disponibiliza um aplicativo, chamado Boletim na Mão, para realizar essa verificação. A ministra disse que a Corte apoia a “transparência e absoluta possibilidade de conferência”.

“Inclusive este ano estamos inaugurando a possibilidade que teremos junto à sala onde fazemos as totalizações aqui no TSE de representantes dos partidos políticos. Todos foram convidados”, acrescentou.

 

Por Renan Ramalho, Luiz Felipe Barbiéri, Guilherme Mazui e Alexandro Martello, G1 — Brasília

Outras Notícias

PUBLICIDADE