PEC que permite prisão após segunda instância avança na Câmara dos Deputados

Texto da proposta de emenda à Constituição acaba com recursos especiais e extraordinários.

Enviar no WhatsApp
PEC que permite prisão após segunda instância avança na Câmara dos Deputados

Foto: Pablo Valadares / Câmara dos Deputados/Divulgação

 

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (20), a admissibilidade de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que permite a prisão após segunda instância - 50 votos a 12. O texto foi aprovado após mudança no relatório do projeto original, que propunha mudar o artigo 5º, que não pode ser alterado na Constituição por ser cláusula pétrea. Agora, vai para comissão especial a ser instituída pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

As duas propostas que propunham alterar essa cláusula foram derrubadas pela relatora do projeto, a deputada Carolina de Toni (PSL-SC). Assim, foi votada uma terceira proposta, do deputado Alex Manente (Cidadania-ES). O texto estabelece que a ação penal se encerra após o julgamento em segunda instância — ou seja, as penas já poderiam ser executadas depois de passar pelos tribunais de Justiça e tribunais regionais federais.

Segundo Caroline de Toni, isso não impede que as decisões possam ser contestadas em outras esferas, mas elimina a possibilidade de recursos especiais ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e extraordinários ao Supremo Tribunal Federal (STF).

— O que a PEC 199 propõe é a criação de outras ações autônomas de natureza rescisória que impugnariam a decisão já transitada em julgado, em razão de exaurimento das instâncias ordinárias — afirmou a relatora.

A alteração, segundo Caroline, permitiria a execução imediata das decisões condenatórias confirmadas em grau de recurso.

— Essas cortes promovem efetivamente a análise probatória, razão pela qual seu julgamento deve ser prestigiado — completou.

Três partidos votaram contra a admissibilidade da proposta: PT, PCdoB e Pros. Para a deputada Talíria Petrone (PSOL-SP), o texto fere igualmente a cláusula pétrea da Constituição disposta no artigo 5º.

— A PEC segue sendo um instrumento para atingir um direito individual, porque, ao acabar com o direito a recursos especiais e recursos extraordinários, segue ferindo o direito à presunção de inocência — disse Talíria.

O deputado José Guimarães (PT-CE) elogiou a inadmissibilidade das PECs que alteravam o artigo constitucional sobre direitos individuais, mas aposta que a proposta aprovada na CCJ será alterada ao longo da tramitação na futura na comissão especial.

 

Por GaúchaZH

NSCC Total

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo