Bolsonaro diz que deve deixar PSL: "90% de chance de criar um novo partido"

Em entrevista à Record, presidente ainda defendeu filho por declaração sobre AI-5 e voltou a atacar a Globo e o governador do Rio, Wilson Witzel.

Enviar no WhatsApp
Bolsonaro diz que deve deixar PSL: "90% de chance de criar um novo partido"

Presidente afirmou que tem 90% de chances de sair do PSL(Foto: José Dias / Palácio do Planalto)

 

Em entrevista à TV Record na noite deste domingo (3), o presidente Jair Bolsonaro anunciou que tem "80% de chance de sair do PSL" e "90% de chance de criar um novo partido". A expectativa é reunir, de forma eletrônica, o número mínimo de assinaturas necessárias para criar um partido, inaugurar a nova sigla até março e lançar ao menos 200 candidatos nas eleições municipais de 2020.

— A probabilidade é de 80% para sair e 90% de criar um novo partido, do zero, sem televisão nem fundo partidário. Meu sonho é criar um partido que junte assinaturas de forma eletrônica, ter até março um partido e lançar 200 candidaturas pelo Brasil. E escolheria quem concorreria para qual prefeitura — afirmou.

A declaração ocorre em meio a um racha no PSL. De um lado, estão aliados do presidente do partido, Luciano Bivar (PE), e, do outro, parlamentares ligados à família Bolsonaro. O pano de fundo é a disputa pelos R$ 110 milhões de reais do fundo partidário, uma verba pública que financia campanhas políticas. Bolsonaro já pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) para bloquear o valor.

O presidente da República, no entanto, negou que esteja interessado pelo fundo partidário e afirmou que pretende sair do PSL para evitar ser associado a denúncias de corrupção. Afirmou, ainda, que ficaria na sigla se fosse alçado ao comando.

— (Hoje) Eu pago a conta sobre qualquer possível desvio de terceiros no partido. Ou passo a ter o comando das ações do partido para acabar com isso aí e abrir a caixa preta, se tiver, e fazer o fundo partidário ir para onde tem que ir, ou... O que pode acontecer? Posso sair do partido. Não estou brigando por recurso do fundo partidário, o que não quero é ter problemas nas eleições municipais. Alguns estão dizendo que quero fundo partidário para comprar voto. Eu sou presidente da República, tenho uma caneta muito mais forte do que o fundo partidário e não estou a usando para ganhar voto.

AI-5

Após criticar indiretamente o filho Eduardo, que cogitou a aplicação de um novo AI-5 no Brasil, Jair Bolsonaro o defendeu com base no princípio de imunidade parlamentar. O presidente também admitiu que os filhos influenciam suas atitudes.

— Para que o artigo 53 da Constituição? “Políticos são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”. Foi infeliz o garoto. Puxei a orelha dele, mas meus filhos não me atrapalham. Pelo contrário, me ajudam muito a identificar quem não está na nossa linha. Ninguém vive dentro do Palácio (do Planalto) dizendo o que eu não tenho fazer. Dizem, sim, de projetos, propostas e o que está fora da curva.

Caso Marielle Franco

O presidente também comentou o depoimento do porteiro que o ligou ao caso Marielle Franco. Bolsonaro disse que a Advocacia-Geral da União (que representa os interesses da Presidência) pediu que a Procuradoria-Geral da República peça um novo depoimento ao porteiro do condomínio.

Bolsonaro atacou mais uma vez o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, acusando-o de vazar o depoimento e "usar a máquina pública para me perseguir". Ele ainda disse que a Globo fez "um jornalismo sujo" e refutou as afirmações de que está obstruindo a Justiça ao colher os áudios da portaria de seu condomínio.

— Apenas falei ao meu filho, que foi à portaria. Qualquer um dos 150 moradores do condomínio pode, ele botou o áudio e filmou — disse o presidente.

Estabilidade do serviço público e reforma econômica

Sobre a reforma administrativa que será encaminhada ao Congresso, o presidente reafirmou que o texto não deve tirar a estabilidade dos servidores já contratados, mas sim daqueles que futuramente serão contratados. Ele destacou que certas carreiras, como na Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Exército seguiram estáveis.

Na entrevista, Bolsonaro ainda mencionou o plano de reformas econômicas de Paulo Guedes, no qual uma das propostas é desvincular (desobrigar) o Orçamento a investir em certas áreas. A ideia da medida é reduzir despesas e dar mais liberdade para que o governo escolher onde gastar, mas a proposta é criticada por abrir a porta para que a União invista menos em educação e saúde. O presidente, no entanto, repetiu o discurso do ministro da Economia e negou a possibilidade:

— O que o governo quer é deixar para o Parlamento. O (orçamento) global vai para o Parlamento, que decide se irá dar mais para educação ou saúde. Você (governo federal) hoje é obrigado a gastar um valor que não é necessário. O Parlamento irá decidir os recursos, então a responsabilidade do orçamento será dele. O Executivo está abrindo mão disso.

Vazamento de óleo

Após sugerir, sem provas, que o Greenpeace pudesse estar por trás do desastre ambiental no Nordeste, Bolsonaro seguiu o relatório da Polícia Federal e afirmou que "todos os indícios” levam para responsabilidade do cargueiro grego que teria sido abastecido com barris de óleo na Venezuela e sofrido um vazamento próximo à costa brasileira.

— A notícia ruim é que o que foi recolhido é apenas uma pequena parte do óleo derramado. Temos um anúncio de uma catástrofe muito maior que está para ocorrer.

 

Por Marcel Hartmann

GaúchaZH

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo