Ação coletiva pede suspensão da posse de Lula

O documento sustenta que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não considerou as sugestões feitas pelo Ministério da Defesa

Enviar no WhatsApp
Ação coletiva pede suspensão da posse de Lula

Imagem: REUTERS/Mohamed Abd El Ghany/Reprodução

 

Um mandado de segurança coletivo pede a suspensão da posse do presidente eleito, Lula (PT). Protocolado na noite da terça-feira (27), no Supremo Tribunal Federal (STF), o documento sustenta que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não considerou as sugestões feitas pelo Ministério da Defesa para resolver supostas vulnerabilidades nas urnas eletrônicas. Além disso, a ação cita a auditoria do Partido Liberal (PL), que identificou problemas em máquinas usadas na eleição, e pediu providências à Corte.

“Vê-se que, no âmbito do TSE, todas as medidas que buscaram contribuir com a transparência e a segurança da votação eletrônica foram rechaçadas, inclusive de forma inusitada, aplicando multas ao partido PL por juridicamente e supostamente questionar ‘sem provar o alegado’, quando o que objetivava o partido era exatamente espantar as dúvidas que ainda pairavam sobre a urna eletrônica”, observou o advogado Carlos Klomfahs, que protocolou a peça no STF. O processo defende o acolhimento das sugestões feitas pelos militares do Exército, com base na Resolução nº 23.673/2021, do TSE, e por técnicos contratados pelo PL.

O mandado aponta ainda, que o presidente do TSE, Alexandre de Moraes, praticou três irregularidades:

1. Inobservância do devido processo legal, na medida em que o TSE, por meio de seu presidente, não remeteu os feitos do PL e do impetrante ao Plenário, nos termos do RI/TSE;

2. Exorbitância das competências do conselho, no caso o impetrado exorbitou das suas competências, trazendo para si o julgamento monocrático e impedindo o julgamento colegiado dos pleitos que colimavam transparência e segurança das urnas eletrônicas; e

3. Injuridicidade ou manifesta irrazoabilidade do ato impugnado, com fulcro na ausência de razoabilidade que recomendava adoção dos princípios da cautela e da prudência em afirmar tecnicamente e com o devido processo legal de contraditório, ao rejeitar a ação e aplicar multas inconstitucionais.

O documento também listou uma série de informações publicadas na imprensa apontando que, de acordo com o relatório dos militares, não está descartado eventuais vulnerabilidades nas urnas eletrônicas. O mandado cita também um suposto abuso de autoridade por parte do presidente do TSE.


Fonte: Revista Oeste 

 

 

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo