Mais de cinco meses depois, bombeiros encontram corpo praticamente intacto em Brumadinho

Para localizar a vítima, os bombeiros usaram cruzamento de dados entre possíveis locais onde a vítima estaria no momento do rompimento da barragem

Enviar no WhatsApp
Mais de cinco meses depois, bombeiros encontram corpo praticamente intacto em Brumadinho

Foto: André Ávila/ Agência RBS

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais resgatou um corpo "praticamente intacto" na lama em Brumadinho (MG), na noite de quarta-feira (3), mais de cinco meses depois do rompimento da barragem da Vale na região.

A vítima - um indivíduo do sexo masculino, com cerca de 50 anos - estava com documento de identidade no bolso da calça. O nome confere com uma das 24 pessoas ainda na lista de desaparecidos. Acredita-se que ele era funcionário de uma terceirizada da Vale.

O corpo estava na área identificada como remanso 1, onde havia circulação de veículos e maquinário, sem edifícios. A região precisou passar por drenagem para que os bombeiros pudessem fazer as buscas.

Ele foi encontrado a 8 metros de profundidade. O estado de conservação, de acordo com os bombeiros, se deve ao fenômeno de saponificação – em locais com pouco oxigênio, alta concentração de minério, a atividade de decomposição desacelera.

Para localizar a vítima, os bombeiros usaram cruzamento de dados entre possíveis locais onde a vítima estaria no momento do rompimento da barragem, com a localização onde foram encontradas pessoas que estariam com ela.

O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal de Belo Horizonte para ser identificado. Os números de vítimas da tragédia não são atualizados desde o dia 5 de junho, quando a Defesa Civil registrou 246 mortos e 24 desaparecidos.

A 246ª vítima, identificada no início de junho, também foi resgatada com o corpo quase intacto na área do terminal ferroviário de carga. A identificação foi feita por exame de arcada dentária. Ainda há 136 segmentos não identificados junto ao IML.

Segundo os bombeiros, não há previsão para o fim dos trabalhos na região até que todos os desaparecidos sejam localizados. Nesta quinta, 152 bombeiros militares trabalham em 24 frentes no local dando seguimento às buscas.

— É muito complicado colocar essa previsão. Como são 24 pessoas desaparecidas, muitos desses segmentos podem pertencer a pessoas que já foram identificadas — diz o porta-voz do bombeiros, tenente Pedro Aihara.

Por NSC Total

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo