O Adeus ao Rei do Futebol: Pelé jogou só quatro vezes em SC e uma das partidas foi no Alto Vale

Edson Arantes do Nascimento, nascido em 20 de outubro de 1940, faleceu nesta quinta-feira (29)

Enviar no WhatsApp
O Adeus ao Rei do Futebol: Pelé jogou só quatro vezes em SC e uma das partidas foi no Alto Vale

O dia em que Pelé jogou em Taió - Foto: Arquivo/Álvaro Danton Bertoli

 

O futebol brasileiro tem vários personagens. Mas nenhum deles tem o protagonismo de Edson Arantes do Nascimento. A importância de Pelé é tamanha que é possível falar que, a partir dele, o mundo mudou a forma de ver os jogadores e a seleção do Brasil.

O futebol nacional e internacional infelizmente se despede nesta quinta-feira (29) do Rei Pelé. O melhor jogador de todos os tempos morreu aos 82 anos de idade. Um atleta perfeito, completo e magistral. Não existiu jogador melhor do que ele. Não existe e nunca existirá alguém como o Pelé.

Como muitos sabem, Pelé jogou poucas vezes em Santa Catarina. O ex-camisa 10 santista atuou apenas em Joinville, Blumenau, Taió e Florianópolis.

Seu primeiro jogo no estado foi em 17 de fevereiro de 1957 na cidade de Joinville, contra o América. Foi também a primeira partida de Pelé fora de São Paulo e o quinto dele pelo Santos, que venceu por 5 a 0.

Em 30 de agosto de 1961, Pelé fez sua segunda partida em gramados catarinenses, em Blumenau, na vitória do Santos sobre o Grêmio Esportivo Olímpico, por 8 x 0. Pelé fez cinco gols. E em 15 de agosto de 1972, o Santos venceu o Avaí em Florianópolis por 2 a 1, no estádio Adolpho Konder sem gols de Pelé.

Sua terceira passagem por Santa Catarina foi em 1967 durante a comemoração do Cinquentenário de colonização da cidade de Taió, onde ele, Pelé, era a atração máxima. A equipe santista era o melhor time do mundo e já havia conquistado vários títulos ao longo daquela década, com destaque para o Bi-Mundial e o Bi da Libertadores, ambos em 62/63.

Aquela era a primeira vez em que o Rei do Futebol colocava os pés no Alto Vale catarinense. Na sexta anterior ao jogo, na abertura dos festejos, houve o desfile, com a presença do Governador Ivo Silveira e do ex Governador Celso Ramos, padrinho politico de Moacir Bertoli, que trouxeram a verba para pagar os honorários do Santos (dez milhões de cruzeiros novos cada um).

Já no fim do churrasco, o funcionário dos Correios, Nilson Gomes Moreira, trouxe telegrama do Santos informando que Pelé não viria. Então, Moacir Bertoli e o funcionário Egon da Prefeitura foram até Registro (SP) num automóvel Simca do então Prefeito Hercílio Anderle. Furaram 7 pneus.

Moacir seguiu de táxi até Santos, na casa de Athiê Jorge Coury, deputado federal e Presidente do Santos, onde se reuniu com o médico e dirigentes do Santos, e ficou acertado que Pelé somente daria início à partida e tiraria fotos com a torcida. O que já tinha feito na quarta-feira anterior no Maracanã. Então Moacir voltou até Lontras de avião alugado da Sadia, com a delegação do Santos. Que antes de aterrizar, fez voo rasante em Taió, quando o jogador do Santos e da seleção argentina Ramos Delgado avistou o campo de futebol e perguntou onde estava a cidade.

Quando o avião da Sadia chegou à Lontras com o time do Santos, foi uma verdadeira festa. O repórter Carlos Eduardo Mendonça, o Bolinha da Rádio Mirador na época, entrevistou Pelé na saída do avião com exclusividade. Um Show. O saudoso, Alvaro Murara, no Restaurante Orlando´s em Rio do Sul, preparou o jantar para a maior equipe do futebol mundial na época.

 

Estádio do União lotado para a histórica partida.

Estádio do União lotado para a histórica partida 

 

A delegação santista chegou à Taió via Rio do Oeste para naquele dia 1º de outubro de 1967, domingo, disputar um amistoso contra o combinado blumenauense do Palmeiras/Olímpico, porém, lesionado, Pelé não pôde atuar, mas ajudou a atrair uma multidão ao estádio do União. Nos primeiros 15 minutos o Palmeiras/Olímpico bombardeou o Santos, mas, Gilmar defendia tudo. Aí o Santos começou a jogar.

A Rádio Nereu Ramos de Blumenau foi a única rádio que tinha linha de transmissão no estádio de Taió pra fora. A Rádio Mirador de Rio do Sul transmitiu com transmissor. As arquibancadas de madeira do estádio do União ficaram lotadas com cerca de 10 mil espectadores.

O Santos acabou vencendo a partida por 7 a 1. O time paulista atuou com a seguinte formação: Gilmar (Élcio Mineiro), Carlos Alberto (Turcão), Ramos Delgado, Joel, Rildo, Zito (Negreiros), Clodoaldo, Wilson (Almiro), Coutinho (Silva), Douglas e Edu (Abel).

Os gols santistas foram marcados por Coutinho (2), Edu, Clodoaldo, Douglas, Silva e Wilson. Não conseguimos apurar o autor do gol e a formação do combinado blumenauense. A arbitragem ficou à cargo de Benedito Francisco.

Uma partida que, sem sombra de dúvidas, ficará marcada para sempre na história de Taió e na história do esporte catarinense.

 

Time do Santos que disputou a partida.

Time do Santos que disputou a partida

 

FICHA TÉCNICA

SANTOS (SP) 7×1 SELEÇÃO DE BLUMENAU 

Data: 01 de outubro de 1967

Local: Taió/SC
Juiz: Benedito Francisco
Gols: Coutinho (2), Edu, Clodoaldo, Douglas, Silva e Wilson / nd

 

Santos (SP): Gilmar (Élcio); Carlos Alberto (Turcão), Ramos Delgado, Joel e Ruildo; Zito (Negreiros) e Clodoaldo; Wilson (Almiro), Coutinho (Silva), Douglas e Edu (Abel)
 

Seleção de Blumenau (SC): nd

 

Fotos: Franz Xaver Hormann/Foto Marzall/Acervos de Carlos Tonet e Moacir Bertoli/Dinossauros do Indaiá/Álvaro Danton Bertoli
 

Fontes: A Tribuna de Santos/Eliana Belo/Patrick Ribeiro/ACESC/Blog do Lorival Goular/ Rejane Maria/Demais News
 

Texto e pesquisa: Emerson Lima

 

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo