Gasolina ficou mais cara nesta semana, segundo ANP

O Ministério da Justiça não descarta abrir investigações sobre postos que reajustaram os preços de combustíveis no início de 2023

Enviar no WhatsApp
Gasolina ficou mais cara nesta semana, segundo ANP

Imagem: Reprodução

 

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis atestou que o preço médio da gasolina comum subiu 3,2% nos postos brasileiros na primeira semana de janeiro. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (6).

Segundo a ANP, o preço médio do litro saltou de 4,96 na semana passada para 5,12 reais. O preço médio do diesel foi de 6,25 para 6,41 reais, enquanto o do etanol subiu de 3,87 para 4,01 reais.

Logo após tomar posse, no domingo 1º, o presidente Lula (PT) assinou uma medida provisória que prorroga a desoneração de combustíveis no País. A desoneração dos tributos federais PIS e Cofins valerá até o fim de fevereiro para gasolina, etanol, querosene de aviação e gás natural veicular. O corte permanecerá em vigor até o fim deste ano para diesel, biodiesel e gás liquefeito de petróleo.

Por isso, o governo entende não haver razão para o reajuste. Na última quarta-feira (4), o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino, não descartou abrir investigações sobre postos que aumentaram os preços de combustíveis no início deste ano. A gestão Lula, por meio da Secretaria Nacional do Consumidor, já notificou entidades do setor.

Dino afirmou que o regime de livre mercado não significa um “liberou geral” e está sujeito a regras, inclusive ao Código de Defesa do Consumidor.

Na terça (3), o Secretário Nacional do Consumidor, Wadih Damous, declarou que se até o final de semana os preços não voltassem ao estágio anterior, as entidades seriam convocadas a Brasília “para se explicar”. Ele ainda disse haver “sanções a vista”.

Diante desse cenário, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica decidiu apurar o aumento nos postos. A medida foi autorizada na quarta (4) pelo superintendente-geral do órgão, Alexandre Barreto de Souza, que atendeu a um pedido do presidente do Cade, Alexandre Cordeiro, e determinou que a apuração aconteça no âmbito de um inquérito administrativo já em andamento, cujo objeto também está relacionado à venda de combustíveis no País.

 

Por Carta Capital 

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo