Obras em ponte entre Ibirama e Apiúna deverão ficar para 2019

Depois de corte no orçamento Dnit diz que busca agilidade na elaboração do anteprojeto em Brasília.

Enviar no WhatsApp
Obras em ponte entre Ibirama e Apiúna deverão ficar para 2019

FOTOS: BRYAN KLUG/DAV

 

A ponte que liga Ibirama a Apiúna, na BR 470, enfrenta graves problemas na sua estrutura desde 2016 e após pressão de lideranças na região a estrutura passou por uma nova avaliação dos técnicos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e agora o foco é acelerar a elaboração do anteprojeto, que deve definir o que e quanto investimento será necessário para a reforma.

De acordo com o órgão, a ponte foi classificada como problemática, com condições de estabilidade e conservação abalada. Segundo o Dnit em Santa Catarina, essa é uma obra considerada como prioritária, mas mesmo assim deverá ficar para 2019. De acordo com o superintendente do Dnit do estado, Ronaldo Carioni Barbosa, o anteprojeto para a recuperação da ponte é elaborado pelo programa Proarte e feito em Brasília, a partir do estudo já realizado aqui no estado. Só depois da finalização do anteprojeto é que ele vem para Santa Catarina para ser licitado. Ele conta que os esforços do Dnit são para dar celeridade e prioridade para a obra da ponte. “Na semana passada eu junto da bancada catarinense, estivemos em Brasília para fazer o pedido de celeridade dessa reforma. E o ministro sinalizou que junto ao Dnit vai tentar dar a prioridade, entre todas as necessidades em nível nacional, para que possamos licitar essa obra tão importante para a região. O prazo que chegou a nós para a entrega do anteprojeto foi fevereiro de 2019. E foi por isso que pedimos celeridade, porque a nossa intenção é licitar a obra ainda em 2018, com o governo atual”, conta Ronaldo.

Um corte no orçamento do Dnit de Santa Catarina, também preocupa a realização de obras nas rodovias catarinenses. Ele explica que o corte linear em função do recurso disponibilizado para 2019 foi para todos os estados, e o recurso disponível foi dividido entre as regiões.

“Santa Catarina em 2017 tinha um orçamento de R$117 milhões e meio, nesse ano estamos com R$157 milhões e meio e para o ano que vem está sinalizado R$131 milhões, é pouco recurso pela malha que temos. Mas vamos otimizar os recursos, esses ano estamos terminando as rodovias e no ano que vem vamos otimizar para fazer ao máximo para conseguir vencer 2019 sem maiores transtornos. A ponte será prioridade e vamos investir”, garantiu o superintendente. Ele considera ainda que não será preciso interromper o tráfego na rodovia durante as obras de recuperação.

 

 

No fim de julho os técnicos do Dnit vistoriaram a ponte sobre o Rio Itajaí-Açu II, e averiguaram a situação crítica do local. A visita foi acompanhada também da Associação Empresarial de Rio do Sul (Acirs), que está monitorando as atualizações a respeito dessa obra, assim como as novidades sobre a duplicação da BR 470. A entidade declarou que busca mobilizar forças políticas para pressionar Brasília na resolução deste problema. “Procuramos conhecer o problema com base em dados técnicos, alertamos e mobilizamos parlamentares e lideranças empresariais e estamos acompanhando tudo o que o Dnit tem feito a respeito. Em cerca de dois meses fizemos quatro reuniões com o superintendente do órgão e uma com o coordenador do Fórum Parlamentar. Sabemos que o Dnit de Santa Catarina já se manifestou pela prioridade na recuperação desta estrutura. O Ministério Público Federal também está cobrando providências. Neste momento, todas as ações dependem da sede do Dnit em Brasília. Também será necessário que a bancada catarinense se mobilize para garantir os recursos, embora esta demanda, só seja conhecida em etapa posterior à elaboração do anteprojeto”, disse o presidente da Acirs Amandio Junior.

Para o representante comercial, Lucas Gabriel Noveletto Cristofolimi, que passa diariamente pelo trecho, a situação da ponte preocupa. “É uma situação bem complicada, com possíveis riscos de rompimento, claro que são problemas iniciais que podem e vão se tornar grandes. E isso pode afetar na economia de todo o Alto Vale e até estado, porque nesse trecho é muito intenso o tráfego, então se houver uma paralisação muita gente pode ser afetada.”

Corte no orçamento

No mês passado, um projeto para remanejamento de verbas do Dnit foi aprovado no Congresso Nacional. Com isso Santa Catarina deixará de receber R$ 76 milhões para obras em rodovias. A medida impacta BR-470, que perde 20 milhões, e também na BR-285, BR-282, BR-280 e BR-163.

“A bancada está cobrando também o retorno dos R$76 milhões, do corte da PL, estamos cobrando do governo para que retorne esses valores porque não temos condições de abrir mão de nenhum recurso”, finalizou Ronaldo.

 

Por Susana Lima

Diário do Alto Vale

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo