Obras da SC-110 entre Ituporanga e Imbuia devem ser concluídas em dezembro

Obras da SC-110 entre Ituporanga e Imbuia devem ser concluídas em dezembro

Obras da SC-110 entre Ituporanga e Imbuia devem ser concluídas em dezembro (Foto: DAV / Divulgação)

Depois de cerca de dois anos e meio do início das obras de revitalização da SC-110 que liga Ituporanga a Imbuia os trabalhos devem ser concluídos em dezembro deste ano. O prazo de entrega inicial era de 540 dias, mas por conta de atrasos no repasse de recursos e dificuldades nas desapropriações de terras, o cronograma precisou ser alterado. Agora falta cerca de um quilômetro da via que ainda precisa receber a nova camada asfáltica.

Mesmo com o atraso a comunidade da Bela Vista de Ituporanga, que é cortada pela rodovia, acredita que o investimento deverá trazer inúmeros benefícios. Patrícia Gorges é moradora de Imbuia e trabalha como auxiliar administrativo em uma cerâmica localizada as margens da SC-110. Para ela que utiliza diariamente a via, a revitalização trouxe mais segurança e agilidade na hora de se deslocar.

Ela afirma que para a cerâmica a melhoria também traz benefícios, já que diariamente os caminhões da empresa utilizam a via para o escoamento da produção. Por enquanto, porém em boa parte da rodovia não há sinalização e alguns motoristas acabam abusando da velocidade. “Não está sinalizado, não tem placa nenhuma então o término da obra vai ser bem importante para nós que usamos o asfalto para vir trabalhar como para os caminhões da empresa”. Ela afirma que a falta de sinalização também preocupa por conta da neblina, que é bastante frequente no local e às vezes permanece até o meio dia.

Patrícia lembra que os atrasos da obra acabaram prejudicando a fluidez do trânsito na rodovia. “Teve uns dias que ficou fechado também, então acaba prejudicando tudo, mas assim terminando para nós já é ótimo. Tinha dias que a gente vinha trabalhar e chegava atrasado porque ficava parado, porque a obra não ia, ficava ali dias e dias no mesmo pedaço”, acrescenta.

Antes da revitalização a auxiliar administrativo lembra que a via apresentava buracos e desníveis e acidentes eram frequentes. Outra situação que deve ser resolvida são os transtornos causados pelo grande número de caminhões que circulam pela via, já que agora a pista contará com uma terceira faixa. “É muito movimento de caminhão, então a noite mesmo é um perigo e eles não respeitam”, fala.

Na parte central do bairro Bela Vista, que é cortado pela rodovia, após a conclusão das obras no asfalto surgiu o problema da alta velocidade dos veículos que trafegavam pela SC-110. Por conta disso a associação de moradores da comunidade solicitou que lombadas fossem colocadas no local. O pedido foi atendido há cerca de quatro meses e de acordo com os moradores a situação foi resolvida.

A vendedora de uma loja localizada na área central do bairro, Isolene Hausmenn, conta que no bairro existem uma escola e uma creche, e agora com os redutores de velocidade as crianças também ganharam mais segurança. “Antes não tinha essas lombadas e o pessoal andava rápido, era muito perigoso. Ônibus escolares já chegaram a bater por causa da velocidade e agora com essas lombas nem deu mais acidentes aqui”, relata.

Isolene também relata que a situação da via antes da obra era complicada. “Antes não tinha condições, você saia de um buraco e entrava em outro, nós em uma noite furamos dois pneus em um lado só do carro”.

O comerciante e morador Rone Fernando Adamek acredita que até mesmo o desenvolvimento do bairro vai ser facilitado com a revitalização da rodovia. Além disso, a colocação das lombadas permite que os moradores transitem pelo local com mais tranquilidade. “Minha casa é ali na frente então só para cruzar aqui era o maior risco, sempre tinha que cruzar correndo, agora então melhorou bastante”, relata. Sobre os atrasos nas obras ele afirma que o problema era um incômodo e que a justificava dada pelos responsáveis do serviço era o atraso no repasse das verbas.

A assessoria de imprensa do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) explica que além de atrasos no repasse de recursos do Banco do Brasil, que financia a obra, houveram também problemas com desapropriações de terra. Isso porque, para que fosse possível alargar a via e instalar uma terceira faixa, cerca de 30 terrenos precisaram ser indenizados. Além disso, problemas com mudanças de postes também aconteceram.

A assinatura da ordem de serviço para a revitalização foi feita no dia 5 de setembro de 2013 e a empresa que executa a obra é a construtora AZZA. Depois de adiado por algumas vezes o prozo de conclusão que antes era de 540 dias, agora é 18 de dezembro deste ano. O valor total da obra gira em torno de R$ 26 milhões e são 16 quilômetros da via que estão sendo melhorados.

Sobre a falta de sinalização assessoria de informou que toda a parte de orientação para quem circula na via, sinalização vertical e horizontal, já está inclusa no valor da obra e ao ser finalizada em dezembro toda essa parte também estará pronta.

Sindréia Nunes / DAV

Outras Notícias

PUBLICIDADE