Superlotação da maternidade do Hospital Regional em Rio do Sul preocupa direção

O problema é que em determinados horários o hospital de Ibirama não conta com pediatras de plantão.

Enviar no WhatsApp
Superlotação da maternidade do Hospital Regional em Rio do Sul preocupa direção

Hospital Regional Alto Vale em Rio do Sul (Foto: Divulgação)

 

 

 

A direção da Fundação de Saúde do Alto Vale do Itajaí, gestora do Hospital Regional de Rio do Sul, vai comunicar aos órgãos competentes a superlotação da maternidade, que desde o começo deste mês registrou 129 nascimentos, média diária de 8,6. De acordo com o diretor-geral, Siefried Hildebrand, o problema vem se agravando porque em determinados horários o Hospital Doutor Waldemiro Colautti, de Ibirama, que pertence ao governo do Estado, não tem pediatra de plantão. Com isso todas as gestantes da região Vale Norte são obrigadas a se deslocar para Rio do Sul. Outro problema é que a UTI Neonatal tem recebido mais bebês que o número teto contratado estipulado pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Hildebrand revelou que a situação piorou a partir do dia 7 deste mês em razão da escala de plantão no Centro de Obstetrícia de Ibirama. Diante desta situação em torno de 15% de gestantes daquela região estão sendo atendidas em Rio do Sul. “A culpa não é do seu diretor, Roberto Ferrari, que é nosso parceiro de longa data”. ”Recebemos cópia da escala, informando que em 21 dias do mês, em determinados horários não terá médico pediatra para acompanhar o parto, que é obrigatório pela legislação”.

A maternidade do regional conta com 27 leitos e com a superlotação as gestantes acabam sendo acomodadas em outros setores. “A média diária é de seis partos, mas já chegamos a registrar até 12”. Diante deste quadro, o diretor colocou que a qualidade do atendimento fica comprometida. “A nossa preocupação maior está UTI Neonatal já que somos credenciados pelo SUS para seis leitos e esse número tem sido maior”. O sistema DATASUS não aceita mais o que o estabelecido e diante disso trabalhamos com prejuízo. “Somos também referência em gravidez de alto risco”, complementou.

 

Por Orlando Pereira

Assessoria de Imprensa

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo