Palestra para conscientizar e diminuir preconceitos sobre o autismo é realizada em Ituporanga

Em breve a cidade também ganhará formalmente uma associação de familiares dos autistas.

Enviar no WhatsApp
Palestra para conscientizar e diminuir preconceitos sobre o autismo é realizada em Ituporanga

Foto: Prefeitura de Ituporanga / Reprodução

 

A Secretaria de Saúde de Ituporanga realizou na Câmara de Vereadores nesta quarta-feira, 27, uma palestra de conscientização sobre o autismo para marcar o Abril Azul. No evento a psicóloga Elionar Cláudia Petris destacou a importância da informação para diminuir preconceitos. Em breve a cidade também ganhará formalmente uma associação de familiares dos autistas.

Elionar ressaltou que os atendimentos de pessoas diagnosticadas com autismo têm crescido no município e é preciso informar a população para diminui preconceitos.  “Precisamos ter esse entendimento para diminuir a discriminação. É importante falar sobre esse tema e planejar estratégias para que comecemos a caminhar num sentido de tratamento e de viabilizar nas políticas públicas o atendimento dessas pessoas e buscar mais qualidade de vida e desenvolvimento dos autistas”, disse.

De acordo com a Secretaria de Saúde, atualmente o município atende uma grande demanda de pessoas diagnosticadas com autismo e o atendimento é um desafio já que devido ao número atualmente há até fila de espera. 

Ituporanga vai ganhar associação de familiares dos autistas

Pensando em levar informação a toda à população e auxiliar das mais diversas formas quem convive com algum autista, a cidade deve ganhar também uma associação. Um grupo com diversos pais foi formado há algum tempo e por enquanto eles compartilham informações importantes e trocam experiências, mas a entidade já está sendo formalizada e deve receber apoio do Poder Público de Ituporanga.

Ricardo de Oliveira é um dos pais que integra o grupo. Ele conta percebeu algo diferente com o filho Miguel logo nos primeiros anos de vida e em pouco tempo veio o diagnóstico do autismo. “Começamos a observar que ela não apresentava linguagem mesmo com um ano e oito meses e levamos ele ao pediatra. Outro sinal é que ele não respondia de imediato e tinha uma seletividade de interesses então veio o diagnóstico”.

Ele comenta que a associação tem o objetivo de difundir o conhecimento para os pais e auxiliar na viabilização dos direitos. “A associação tenta auxiliar e dar caminhos para que os próprios pais possam alcançar esses direitos sem ter que despender tantos gastos. “Por isso pedimos ao pais de crianças autistas que se incluam, se façam presentes  no grupo onde temos reuniões mensais e falamos sobre direitos simples mas que impactam muito nas vidas para reduzir gastos, conseguir medicamentos, entre outras informações”.

 

Por Assessoria de Comunicação

Administração de Ituporanga

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo