Hospital Regional sobrevive com empréstimos

Secretaria de Estado de Saúde prevê liberação de recursos para semana que vem.

Hospital Regional sobrevive com empréstimos

Foto: Divulgação

 

O presidente da Fundação de Saúde do Alto Vale do Itajaí (Fusavi), Manoel Arisoli Pereira, aguarda a confirmação do depósito do repasse de R$ 600 mil referente à pendências de extrateto de serviços executados pelo Hospital Regional Alto Vale, previsto para semana que vem. Além disso, outros R$ 2,6 milhões pendentes entre Estado e hospital devem ser pagos em quatro parcelas até o fim de 2017.

O anúncio foi feito pelo deputado estadual Milton Hobus (PSD), que esteve em audiência no dia de ontem com representantes da Secretaria de Estado de Saúde. Esses valores são referentes a procedimentos cirúrgicos que ultrapassam o que é contratualizado entre o hospital e o Sistema Único de Saúde (SUS). “Essa é uma situação que ocorre em diversos hospitais do país e aqui não é diferente. A situação está caótica”, lamenta o presidente da Fusavi.

Pereira explica que o problema é crescente, principalmente pela falta de reajuste e defasagem nos valores que são pagos pelo SUS ao hospital. São 20 anos sem nenhum tipo de reajuste na tabela de serviços, o que resultou em uma defasagem de 40% entre o serviço que é prestado e os valores que são recebidos do Ministério da Saúde. “Hoje, 85% dos procedimentos realizados no Hospital Regional são para o SUS. Outros 15%, apenas, são oriundos de convênios e serviços particulares prestados”, explica.

Como sobrevive o hospital

Com um quadro de 600 funcionários e uma folha de pagamento que gira em torno de R$ 1,5 milhão, mais o pagamento de fornecedores, a Fusavi está conseguindo manter o hospital aberto por meio de empréstimos contraídos no sistema financeiro. “Estamos com nossa folha e o pagamento de fornecedores em dia. Porém, estamos contraindo dívidas que um dia precisarão ser pagas”, adverte.

Outro problema enfrentado, resultado da crise econômica e política instalada no país, é o aumento de usuários que deixam de pagar planos de saúde e procedimentos particulares para usar o serviço público de saúde. O aumento do número de procedimentos realizados via SUS aumenta consideravelmente o déficit financeiro. “Quanto mais se atende no hospital, maior é o prejuízo”, lamenta Pereira.

Milton Hobus explica que os recursos que serão repassados são provenientes de um Fundo Estadual específico para hospitais filantrópicos. Devido ao feriado prolongado desta semana, a previsão é que os recursos sejam liberados já na segunda-feira (11). Milton Hobus se comprometeu em acompanhar pessoalmente o processo de liberação.

Outra fonte de recursos que poderá ser um alento nas finanças do hospital é o repasse de R$ 200 mil referente à sobra de orçamento da Câmara de Vereadores de Rio do Sul. “O convênio foi publicado ontem no Diário Oficial do Município, após cinco dias, se não houver nenhum tipo de impugnação, este recurso será repassado à Fusavi e utilizado para pagamento de dívidas”, finaliza.

 

Por Rafael Beling

Diáro do Alto Vale 

Outras Notícias

PUBLICIDADE