Quantidade de lixo acumulado em barreira ecológica no Rio Itajaí do Sul no Centro de Ituporanga surpreende

Administração estuda possibilidade de instalação de novas barreiras em outros pontos.

Enviar no WhatsApp
Quantidade de lixo acumulado em barreira ecológica no Rio Itajaí do Sul no Centro de Ituporanga surpreende

Foto: PMI / Divulgação

Na tarde desta quarta-feira (18) foi realizado o primeiro recolhimento de materiais que ficaram represados na barreira ecológica que foi instalada no Rio Itajaí do Sul no centro de Ituporanga. A grande quantidade de lixo acumulada pela barreira fez com que a retirada dos dejetos do rio fosse antecipada. A expectativa é que o recolhimento ocorresse a cada 35 ou 40 dias.

A ação foi acompanhada pela equipe da Administração e o vice-prefeito Geison Kurtz e contou com o apoio da embarcação cedida pelo morador Antônio Salésio Costa.

De acordo com um dos responsáveis pelo projeto que está sendo desenvolvido pela Administração de Ituporanga por meio da Fexponace, o superintendente Edésio Bilck, logo na primeira semana já foi possível visualizar que a quantidade de lixo depositada no rio é grande. “Infelizmente a quantidade de lixo nos surpreendeu e foi maior que esperávamos. Encontramos sacolas com lixo, muitas garrafas, caixas de isopor, marmitas, o que mostra que falta conscientização da população”, explicou.

Para os próximos meses a expectativa é de que novas barreiras sejam confeccionadas e instaladas em outros pontos do Rio Itajaí do Sul  na tentativa de identificar em qual região se concentra a maior quantidade de lixo descartada de forma irregular. “Vamos buscar novamente a parceria das escolas para a confecção dessas barreiras e em breve queremos fixar mais barreiras e junto com isso conscientizar a população”, pontuou.

Outra situação que foi registrada e trouxe preocupação, foi a grande quantidade de animais mortos encontrados. “Nós paramos de contar quando chegamos a 20 peixes mortos, mas tinha bem mais. O que está causando essas mortes não sabemos ainda, mas pode ser a própria poluição”, acredita.

A barreira ecológica continua instalada aos fundos da Casa da Cultura e continuará sendo monitorada e assim que necessário uma nova limpeza vai ocorrer.

 

Por Assessoria de Comunicação

Administração de Ituporanga

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo