Obras da SC-110 dentro do cronograma

O trecho da rodovia SC-110 entre o município de Ituporanga ao trevo que dá acesso ao município de Imbuia já está há algum tempo sendo revitalizado. Mas, ultimamente as obras tiveram seu ritmo diminuído, o que gerou cobranças por parte dos prefeitos dos municípios que ficam nas proximidades da rodovia. No entanto há uma justificativa para isso, de acordo com o secretário de Desenvolvimento Regional (SDR) de Ituporanga, Elias de Souza.

Segundo ele, as obras já voltaram ao ritmo em que se encontravam antes, mas admite que houve uma diminuição no andamento das obras. “Houve sim essa diminuição até porque essa é uma obra financiada pelo Banco do Brasil e existiu uma dificuldade para que o banco fizesse os repasses ao governo do estado, que teve dificuldades em saldar os débitos com a empresa responsável pela obra”, explicou o secretário.

A empresa responsável pelas obras é a Construtora Azza, de Brusque, que, de acordo com Souza, demorou para receber os repasses e que, por conta disso, diminuiu o ritmo de execução. O secretário da SDR garantiu, no entanto, que em nenhum momento as obras pararam. Aliás, agora, como o governo do estado praticamente saldou os débitos com a Azza, a empresa voltou a fazer as obras em ritmo acelerado. “A obra está dentro do cronograma previsto e a previsão é de que no final de março de 2015 ela esteja totalmente concluída”, garantiu o secretário.

Entre as intervenções que as obras devem contemplar, estão a construção de terceira pista no trecho da Serra e a construção de passeios e ciclovias na localidade de Bela Vista. “Agora que a obra retomou, com certeza a conclusão vai acontecer dentro do cronograma, que é março de 2015”, constatou o secretário, que explicou ainda que a obra estava em ritmo bastante acelerado, só que os repasses do Banco do Brasil ao governo do estado e posteriormente à empresa não acompanharam o mesmo ritmo e que, por isso, houve a diminuição no ritmo de trabalho.

O que vai ser feito

Segundo o secretário, nos trechos da rodovia onde existiam os “borrachões”, que são os trechos onde houve afundamento do asfalto, foi feito um aterramento específico para que esse problema não aconteça no futuro. Já nos locais onde não existem esses borrachões está sendo feita mais uma camada de aterro coberta por mais uma de asfalto.

Possibilidade de chuvas em setembro

Para Elias de Souza, as previsões preliminares de chuvas no mês de setembro não chegam a ser um impeditivo para que as obras tenham continuidade normalmente. “Essa previsão está dentro de uma média normal de chuva, mas é lógico que se houver um período de chuva mais extenso por conta do El Niño, por exemplo, vai acabar atrasando um pouco o cronograma, mas se for dentro do ritmo normal de chuvas o cronograma será cumprido”, disse o secretário. Segundo ele, as chuvas normais já são previstas dentro dos cronogramas e que somente previsões muito além do comum podem atrapalhar as obras.

Tiago Piontekievicz/Diário do Alto Vale

Outras Notícias

PUBLICIDADE