Mark Zuckerberg lamenta bloqueio do WhatsApp: "Um dia triste para o país"

Mark Zuckerberg lamenta bloqueio do WhatsApp:

Foto: Divulgação / Facebook

Mark Zuckerberg se manifestou na manhã desta quinta-feira sobre a decisão judicial que tirou o WhatsApp do ar no país. Em 2014, o aplicativo foi comprado pelo Facebook por US$ 22 bilhões. 

Na mensagem, o CEO afirmou que a empresa está trabalhando duro para reverter a situação para que os mais de 100 milhões de usuários no Brasil voltem a ter acesso ao serviço. Zuckerberg disse que hoje "é um dia triste para o país" e mencionou que o aplicativo de mensagens instantâneas Facebook Messenger continua ativo para uso. O app enviou notificações para reforçar que serve como um meio alternativo de troca de mensagens. 

Leia a mensagem de Zuckerberg na íntegra:

"Hoje à noite, um juiz brasileiro bloqueou o WhatsApp para mais de 100 milhões de usuários do aplicativo no país.
Estamos trabalhando duro para reverter essa situação. Até lá, o Messenger do Facebook continua ativo e pode ser usado para troca de mensagens.
Este é um dia triste para o país. Até hoje o Brasil tem sido um importante aliado na criação de uma internet aberta. Os brasileiros estão sempre entre os mais apaixonados em compartilhar suas vozes online.
Estou chocado que nossos esforços em proteger dados pessoais poderiam resultar na punição de todos os usuários brasileiros do WhatsApp pela decisão extrema de um único juiz.
Esperamos que a justiça brasileira reverta rapidamente essa decisão. Se você é brasileiro, por favor faça sua voz ser ouvida e ajude seu governo a refletir a vontade do povo."
 

Jan Koum, o criador do WhatsApp, compartilhou a mensagem do CEO do Facebook no seu perfil pessoal e também se manifestou sobre a decisão judicial na noite desta quarta-feira (16):

"Estamos desapontados na decisão míope de cortar o acesso ao WhatsApp, uma ferramenta de comunicação que tantos brasileiros dependem, e tristes por ver o Brasil se isolar do resto do mundo".

Diário Catarinense 

Outras Notícias

PUBLICIDADE