Ex-prefeito de Petrolândia é absolvido

Erimar Senen foi acusado de improbidade administrativa e agora diz que vai mover ação por difamação.

Enviar no WhatsApp
Ex-prefeito de Petrolândia é absolvido

Ex-prefeito de Petrolândia, Erimar José Senen - Foto: Reprodução

O ex-prefeito de Petrolândia, Erimar José Senen (PMDB), foi absolvido da ação de improbidade administrativa movida contra ele pela prefeitura em 2017. A decisão põe fim em primeira instância ao processo que tramita há mais de três anos, mas ainda trará desdobramentos jurídicos já que o político agora busca na justiça a reparação dos danos causados a sua imagem em virtude das denúncias que acabaram não sendo comprovadas. Com a absolvição ele também teve os bens desbloqueados.

Na época o assessor jurídico do município alegou irregularidades no pagamento das atrações artísticas de uma festa promovida em 2009 na gestão de Erimar através de um convênio com o Ministério do Turismo e chegou a afirmar que o processo teria sido feito para que ele se apropriasse de dinheiro público.

O julgamento da prestação de contas do ex-prefeito já havia ocorrido no Superior Tribunal de Justiça (STJ) no dia 21 de maio e teve como relator o ministro Hermann Benjamin. Na ocasião os ministros entenderam que não houve nenhuma irregularidade em relação à festa.

De acordo com o juiz, Marcio Preis, na ação civil por improbidade administrativa o pedido do Município para restituição de R$ 256.925,59 por danos causados ao erário é improcedente. O magistrado citou que as notas fiscais, o extrato bancário, as notas de empenho e os cheques apontam pagamentos com coerência entre os valores previamente estabelecidos na licitação e que eles foram efetivamente quitados pela gestão municipal à época.

Em entrevista ao Jornal Diário do Alto Vale sobre a decisão Erimar José Senen afirmou que o processo foi motivado por desavenças políticas e que recebe a decisão com tranquilidade. “Desde o início eu estava bastante tranquilo, pois não tinha nenhuma ilegalidade então o problema foi muito mais pessoal, mas sempre acreditei na justiça e tive apoio da minha família e amigos”, disse.

Ele comenta que esse foi o único processo a que respondeu em toda a sua vida pública e que teve a imagem manchada por irregularidades que nunca foram cometidas. Agora vai buscar a reparação na justiça. “Quem faz a coisa certa não precisa se apavorar e sempre tive minha consciência tranquila, mas fiquei chateado pelo constrangimento. Inclusive entrei com uma ação de calúnia e difamação contra o assessor jurídico da prefeitura Sergio Coelho que na época me chamou de ladrão”, disse.

 

Por Helena Marquardt

Diário do Alto Vale

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo