Escorpiões encontrados nas proximidades do Parque Ingo Altenburg em Ituporanga não são venenosos aponta laudo

Espécie encontrada é considerada de menor relevância pelo Ministério da Saúde.

Enviar no WhatsApp
Escorpiões encontrados nas proximidades do Parque Ingo Altenburg em Ituporanga não são venenosos aponta laudo

Escorpiões foram capturados a noite com auxílio de uma luz especial

 

Nas últimas semanas a Secretaria de Saúde de Ituporanga por meio dos Agentes e Endemia e profissionais da Vigilância Epidemiológica fizeram a captura de pelo menos 23 escorpiões nas proximidades do Parque Ingo Altenburg. Os animais foram coletados por meio de uma busca ativa e foram encaminhados para análise no Laboratório de Entomologia da Dive em Florianópolis para que fosse possível identificar a espécie.

O laudo com a identificação chegou nesta semana e de acordo com a secretária de Saúde Aline de Abreu Postais a espécie encontrada no município é considerada de menor importância médica. “Os animais enviados para análise foram identificados como sendo da espécie “Tityus costatus”, uma espécie de menor gravidade, considerada pelo Ministério da Saúde como espécie de menor relevância para saúde pública no Brasil e não são considerados venenosos como os escorpiões amarelos”, explicou.

A notícia traz tranquilidade para o Centro Educacional Luciane Haverroth, já que a escola fica localizada nas proximidades do Parque Ecológico e também para os moradores que residem no local.

Ainda de acordo com a Secretária de Saúde de Ituporanga as buscas ativas devem continuar sendo realizadas como foram de orientar a população e também prevenir acidentes. “Apesar não serem venenosos, precisamos que a população fique atenta para evitar incidentes”, pontuou.

 

SOBRE A ESPÉCIE

O Tityus costatus, são escorpiões que quando adultos podem chegar a aproximadamente 7 cm, são de coloração castanho-amarelado com manchas nas pernas e palpos, além da presença de três faixas longitudinais escuras, intercaladas com duas faixas claras na face dorsal do tronco e um espinho sob o ferrão.

Esses animais possuem hábito de vida noturno, escondendo-se durante o dia de baixo de pedras, troncos podres, restos de entulhos, com a finalidade de evitar perda de água por evaporação. Podem viver em grandes profundidades em galerias formadas por restos de construções ou tubulações antigas de esgoto. As baratas podem ser sua principal base alimentar, assim como outros insetos e aranhas. Seus inimigos naturais são pássaros, lagartixas, sapos e alguns mamíferos insetívoros.

 

Por Assessoria de Comunicação

Administração de Ituporanga

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo