Crime ambiental é registrado no Alto Vale

Resíduos de malha foram descartados na localidade de Fruteira em Trombudo Central e caso será investigado.

Enviar no WhatsApp
Crime ambiental é registrado no Alto Vale

Foto: Redes Sociais / Reprodução

 

Um post feito por meio da Defesa Civil de Trombudo Central, chamou a atenção dos internautas e também da comunidade. A publicação relatad o descaso com o meio ambiente e denuncia um crime ambiental. O caso aconteceu na localidade de Fruteira em Trombudo Central onde foi feito a o descarte ilegal de resíduos.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil do município, Francisco de Carvalho, trata-se de resíduos de confecção, além de retalhos e filetes. “Eles foram descartados e incendiados à margem da estrada geral. O agravante do ocorrido é o local estar cercado por reflorestamento de eucalipto o que poderia causar facilmente um incêndio florestal. Conforme já havia no local de queima anterior, vê-se que não foi à primeira ocorrência”, completou.

Francisco passou a situação para o Departamento de Meio ambiente do Município para que as providências necessárias sejam tomadas. Em contato com o Secretário da Agricultura e Meio Ambiente do município, Leirson Vicente, ele disse que está investigando os fatos também com a ajuda da comunidade. “Estamos apurando o caso e também tentando entrar em contato com algumas pessoas que viram ou estavam passando pelo local. Vamos trabalhar agora também na limpeza desse local, para retirar todos os entulhos. Até se o autor não for identificado, o pessoal vai saber que estamos nessa região, além do mais é considerado um crime ambiental esse tipo de ação”, declara Leirson.

Nos plásticos e caixas com os restos de resíduos foi possível visualizar ainda algumas etiquetas o nome da empresa Confecções Shenus Ltda, localizada no bairro Budag em Rio do Sul. Leirson comenta que essa pode ser uma das provas que confirme o autor do crime, porém é necessário confirmar as ações antes de fazer qualquer acusação.

Procurado pelo jornal Diário do Alto Vale, o proprietário da empresa, que preferiu não divulgar o nome disse: “Foi um descuido meu, eu não costumo fazer isso, geralmente esse matérial é recolhido por uma empresa, mas como a empresa acabou não recolhendo, deixei lá. Eu errei e essa situação não irá mais se repetir, até me informei com o sindicato onde me disseram que esse material é recolhido por eles mesmo”, ralatou o proprietário da empresa.

O que diz a Lei

De acordo com o policial ambiental Rodrigo Ferrari, a ação é considerada crime ambiental. “O delito previsto no artigo 54, da referida Lei possui natureza formal sendo suficiente a potencialidade do dano à saúde humana para configurar a conduta delitiva. Não se exige perícia. Se o caso for constatado ou flagrado pela Polícia Militar Ambiental ou pelo Instituto do Meio Ambiente, os responsáveis serão autuados”, finaliza.

 

Por Tatiana Hoeltgebaum

Diário do Alto Vale

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo