Com 17 meses de atraso, governo de SC promete entregar reforma de barragens no fim do mês

Com 17 meses de atraso, governo de SC promete entregar reforma de barragens no fim do mês

Estruturas deveriam ter sido entregues em maio de 2015 (Foto: Eduardo Cristofoli / Agencia RBS)

Fundamentais para a contenção de cheias no Vale do Itajaí, as barragens de Ituporanga e Taió continuam em obras depois de três anos do início da reforma para aumentar a capacidade das estruturas. Previstas inicialmente para serem entregues em maio do ano passado, estão há um ano e cinco meses atrasadas, além de ficarem R$ 7,8 milhões mais caras. O governo afirma que os serviços estão na reta final, faltando apenas a desmontagem do canteiro de obras e a limpeza do local, mas ainda serão necessários mais trabalhos no local a partir de um novo contrato para a melhoria dos equipamentos, cercamento e ajuste nos acessos. Esta etapa estava nos planos do Estado para ser feita junto com a elevação, mas foi separada.

O novo prazo de conclusão da sobrelevação é 31 de outubro, na próxima segunda-feira, quase três anos depois da assinatura da ordem de serviço. A barragem de Taió tem, ao todo, 551 dias a mais de trabalhos, enquanto a estrutura de Ituporanga tem 611. As duas obras estão sendo feitas pela Salver Construtora e Incorporadora Ltda, com sede em Ituporanga. No ano passado, a Secretaria de Defesa Civil chegou a paralisar as obras por dois meses, de julho a setembro. Em outubro de 2015, uma enchente atingiu a região, causando danos principalmente em Rio do Sul.

 O secretário de Defesa Civil do Estado, Rodrigo Moratelli, alega que durante a ocorrência as barragens já operavam com a nova capacidade. Pelo projeto, as duas terão um aumento médio de 17 milhões de metros cúbicos de vazão cada.

— Elas já estão operando com a nova capacidade. A parte técnica, que é a sobrelevação e a introdução dos canais extravasores, foi concluída, faltam fechamentos administrativos. Agora vai passar por obra de melhoria de automação, introdução de sistema de segurança, entre outras coisas — explica Moratelli.

O secretário afirma ainda que as chuvas e a questão financeira prejudicaram o avanço das ampliações. Ele diz que o governo federal, responsável pelos recursos, repassou os valores em parcelas.

— Primeiro tivemos a recorrência da chuva. Precisamos parar a obra quando a barragem enche e esperar o lago baixar para retomar. E a outra situação foi a forma que conseguimos captar o recurso, que não veio como foi pactuado, veio em valores pequenos — argumenta o secretário, que diz que não havia como prever esses contratempos.

Após a enchente de 2011 no Vale do Itajaí, o governador Raimundo Colombo (PSD) procurou a então presidente Dilma Rousseff (PT) para pedir ajuda com obras de contenção de cheias. Com o apoio da petista, iniciou-se a sobrelevação das duas barragens. Por isso, a cada visita à região ou pergunta sobre o assunto, Colombo fazia questão de ressaltar a ajuda do governo federal. 

Em outubro do ano passado, quando Rio do Sul passou por nova enchente, Dilma veio a Santa Catarina. Pousou em Florianópolis, mas por falta de condições meteorológicas não conseguiu seguir até o Vale. Prometeu que voltaria para a inauguração das obras em Taió e Ituporanga, que depois de ter sido adiada, era prevista para ser entregue em seis meses. Entretanto, a ex-presidente perdeu o posto, a região passou por uma enchente e as reformas não foram concluídas.

A obra na Barragem Oeste, em Taió

Contratada: SALVER Construtora e Incorporadora Ltda
Data de início: 05/11/2013
Prazo inicial de conclusão: 10/05/2015
Última data de conclusão: 31/10/2016 (atrasada)
Dias originais: 540
Dias adicionados: 551
Total: 1091 dias
Valor previsto inicialmente: R$ 17.777.832,77
Valor Aditado: R$ 3.439.091,04
Valor atual: R$ 21.216.923,81

A obra na Barragem Sul, em Ituporanga 

Contratada: SALVER Construtora e Incorporadora Ltda
Data de início: 05/11/2013
Prazo inicial de conclusão: 01/03/2015
Data de conclusão: 17/08/2016
Dias originais: 480
Dias aditados: 611
Total: 1091 dias
Valor original: R$ 19.999.999,99
Valor aditado: R$ 4.384.874,12
Valor atual: R$ 24.384.874,11

Valor total a mais com as duas obras: R$ 7.823.965,16 

Saiba mais sobre a Barragem Oeste, em Taió
Local: Taió, no Rio Itajaí DOeste
Concluída: 1973 
Quem projetou: Departamento Nacional de Obras e Saneamento (DNOS), extinto em 1990 
Quem administra: Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra)
Altura do vertedouro: 25 metros
Número de comportas: sete 
Capacidade antiga de contenção: 83 milhões de metros cúbicos 
Capacidade de contenção com a obra: 99,3 milhões de metros cúbicos 
Tempo para a água chegar a Blumenau: 25 horas 
Cidades diretamente afetadas pela vazão do Rio Itajaí D¿Oeste: Taió, Rio do Oeste, Rio do Sul e Agronômica 
Quando as comportas são abertas: se o Rio das Pombas, em Rio do Oeste, estiver cheio, a Barragem Oeste é a última a ter as comportas abertas 
Acumula 18,8 metros. O limite para começar a verter é 21 metros

Saiba mais sobre a Barragem Sul, em Ituporanga

Local: Ituporanga, no Rio Itajaí do Sul 
Concluída: 1975 
Quem projetou: Departamento Nacional de Obras e Saneamento (DNOS), extinto em 1990 
Quem administra: Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra)
Altura do vertedouro: 43,50 metros 
Número de comportas: cinco 
Capacidade atual de contenção: 93,5 milhões de metros cúbicos 
Capacidade de contenção com a obra: 110 milhões de metros cúbicos 
Tempo para a água chegar a Blumenau: 21 horas 
Cidades diretamente afetadas pela vazão do Rio Itajaí do Sul: Ituporanga, Aurora e Rio do Sul 
Quando as comportas são abertas: depende do nível do Rio Itajaí-Açu em Ituporanga e Rio do Sul, cidade atingida pelo entroncamento desta barragem e da Barragem Oeste. 
Medição do acúmulo de água é de 10,5 metros. O limite para começar a verter é 29 metros

Diário Catarinense

Outras Notícias

PUBLICIDADE