Candidatos de Santa Catarina declaram bens à Justiça Eleitoral

Dados disponíveis no site do TSE revelam o patrimônio dos políticos

Em praticamente quatro anos de governo, Raimundo Colombo (PSD) viu seu patrimônio diminuir. O mandato no Senado garantiu a Paulo Bauer (PSDB) quase o dobro em bens. E, dos cinco candidatos das chapas majoritárias que declararam ter mais de R$ 1 milhão acumulados entre imóveis, carros, empresas e aplicações, três são do PT. Essas informações estão nas declarações de bens dos candidatos publicadas na página doTribunal Superior Eleitoral (TSE). 

Entre os oito candidatos ao governo, o maior patrimônio é do ex-deputado federal Cláudio Vignatti (PT). O petista tem R$ 1,5 milhão em bens, quase três vezes mais do que foi declarado na eleição de 2010. Na lista estão um apartamento de R$ 563 mil no centro de Chapecó e R$ 190 mil em dinheiro. O crescimento do patrimônio é atribuído às atividades empresariais desempenhadas nos últimos quatro anos – intervalo que se manteve afastado de cargos públicos –, e à decisão de atualizar os valores dos imóveis.

Em segundo no ranking está o atual governador. O patrimônio de R$ 1,4 milhão é cerca de R$ 400 mil menor do que aquele declarado quatro anos atrás. A informação é de que Colombo usou os bens que tinha para criar uma empresa em sociedade com os dois filhos e agora tem 50% do negócio. Entre os imóveis declarados estão dois apartamentos (um deles na Beira-Mar ao custo de R$ 72,1 mil), uma casa e terras. 

Apesar de ter praticamente dobrado o patrimônio em quatro anos, Bauer ainda não alcançou a marca de R$ 1 milhão em bens: tem R$ 929,5 mil. O resultado é atribuído ao salário (entre 2011 e 2014, recebeu R$ 900 mil do Senado) e ainda à participação nos lucros de uma empresa da qual é sócio. Na declaração, o candidato cita duas obras de arte, uma de Vera Sabino e outra de Willy Zumblick (os dois são artistas catarinenses) e ainda um lingote (uma barra) de ouro. 

Vereador de Florianópolis, Afrânio Boppré (PSOL) declarou ter R$ 830,7 mil. O valor corresponde a dois terrenos, um apartamento na Almirante Lamego (Florianópolis), um escritório, um carro e dinheiro. A odontóloga Marlene Soccas (PCB) tem três consultórios, uma casa e um carro. Os bens somados correspondem a R$ 368 mil. O servidor público estadual Gilmar Salgado (PSTU) listou a casa onde vive e o carro. Também servidor público estadual, Elpídio Neves tem quatro apartamentos, uma casa e um carro. 

A advogada Janaina Deitos (PPL) tem o menor patrimônio entre os candidatos: R$ 25 mil, divididos entre um carro e dinheiro. 

Diário Catarinense

Outras Notícias

PUBLICIDADE