Campanha Eleitoral: Campos prevê gastar R$ 150 mi

O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos prevê gastar até R$ 150 milhões na disputa pelo Palácio do Planalto.

O valor é 32% superior ao teto estipulado quatro anos atrás pela campanha presidencial de Marina Silva, hoje sua vice – R$ 90 milhões na ocasião, R$ 114 milhões, em valores atualizados.

Naquela disputa, Marina ficou em terceiro, com quase 20 milhões de votos. Ao final da campanha declarou ter gasto, efetivamente, R$ 24,9 milhões (R$ 31,4 milhões, em valores atualizados). Ex-aliado do PT, o pessebista irá registrar pessoalmente sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral na tarde de hoje.

Assim como as outras candidaturas, o principal custo da campanha deve ficar com a produção da propaganda eleitoral na TV.

– Faremos um esforço para que a arrecadação chegue próximo disso (o teto), mas lamentavelmente é um valor muito alto, um custo absurdo, o que evidencia uma deformação da democracia – disse Carlos Siqueira, coordenador da campanha de Campos.

O ex-governador de Pernambuco também apresentará, como exige a lei, uma proposta de governo. O documento deverá se constituir basicamente nas diretrizes de governo já tornadas públicas em fevereiro.

Na ocasião, foram divulgados, de forma genérica, cinco eixos que incluem a distribuição de mais recursos para Estados e municípios, a adoção de um modelo econômico que leve em consideração o desenvolvimento sustentável e a defesa de uma proposta de reforma urbana.

Os dois principais adversários de Campos na disputa, a presidente Dilma Rousseff (PT) e o senador Aécio Neves (PSDB), devem apresentar projeção de gastos acima de R$ 200 milhões.

Diário Catarinense

Outras Notícias

PUBLICIDADE