Atrasos nas desapropriações alteram ritmo das obras da BR-470 no Vale

Atrasos nas desapropriações alteram ritmo das obras da BR-470 no Vale

Em vários trechos onde já foi feita a terraplanagem, o mato está voltando a crescer (Foto: Gilmar de Souza / Agencia RBS)

Mato começa a tomar conta de trechos que já receberam a terraplanagem. Mutirão com proprietários de terrenos está previsto para outubro

Apesar de avançar em alguns pontos, em outros as obras de duplicação da BR-470 parecem estar abandonadas antes mesmo de terem sido concluídas. É o que se observa principalmente no lote 3, entre Gaspar e Blumenau. Nele, já a partir do seu início, onde antes havia pista em chão batido, o mato volta a crescer, às vezes chegando a encobrir as estacas que servem de marcação. Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), os atrasos se devem à necessidade de desapropriações para a abertura de novas frentes de trabalho.

São locais que haviam recebido terraplanagem, mas que não tiveram nenhum avanço depois disso. A duplicação ocorre à direita de quem segue no sentido Alto Vale, mas é no lote 3 onde há mais trechos em que se intercalam pontos com algum sinal de pavimentação e outros onde o mato se alastra sobre pistas e estacas. Do Km 44,9 até o Km 45,7, o barro começa a dar lugar ao mato e a poças d’água. Entre os Km 45,7 e 46,1, o trecho chegou a receber uma camada de asfalto.

Saindo de Gaspar em direção a Blumenau, a vegetação volta a encobrir a terraplanagem. Embalagens de plástico e isopor aos poucos se acumulam nas margens da pista. No Km 48,9, um trecho que recebeu terraplanagem está coberto por brita. Um quilômetro depois, próximo ao viaduto da Via Expressa, em Blumenau, ocorre a retirada de pedras do morro. No quilômetro seguinte o mato cresce principalmente nas laterais da terraplanagem.

No lote 4, entre Blumenau e Indaial, ainda não há sinais de obra. O mesmo ocorre na estaca inicial da rodovia, no lote 1, em Navegantes. Só a partir do km 1 começa uma pista ainda em chão batido, próxima ao trevo. Ao longo do trajeto há pontos com buraco, lama e poças d’água. Nos Km 8,4 e 11, por exemplo, máquinas dão sequência à terraplanagem.

Os trabalhos começam a ficar mais intensos a partir do Km 12,4, onde avançam sobre morros. Caminhões circulam transportando areia e funcionários ocupam-se da instalação de tubulações. As obras prosseguem no lote 2, entre Ilhota e Gaspar. No Km 35,5, entretanto, parte dos cortes que haviam sido feitos no morro próximo do trevo de Gaspar desmoronou. Do Km 44,8 até o Km 45,5 o que se vê é a terraplanagem e as estacas serem novamente encobertas pelo mato. Poças d’água também se formam pelo chão.

Mutirão de desapropriações será em outubro

O DNIT informou que os serviços estão suspensos nos lotes 3 e 4 por causa das desapropriações. Apesar disso, até o momento não há necessidade extracontratual nem de acréscimos de valores no custo das obras.

No final de maio, o superintendente do órgão em SC, Vissilar Pretto, garantiu que os recursos para as primeiras desapropriações já foram liberados pelo governo federal. São R$ 26 milhões destinados ao pagamento de 115 processos de um mutirão, previsto para ocorrer em outubro. Os imóveis ficam nos lotes 3 e 4, entre Blumenau e Indaial. No ano passado o DNIT anunciou que as desapropriações ocorreriam até março, mas os processos atrasaram devido à demora no repasse da verba.

Em meados de janeiro, o engenheiro Huri Alexandre, que responde pela área de Engenharia do DNIT, disse que o lote 2 pode ser o primeiro a ter partes prontas ainda este ano. O órgão determinou a proteção dos serviços parcialmente executados até que as obras sejam retomadas nos lotes 3 e 4, para amenizar eventuais prejuízos decorrentes da ação do tempo.

Situação dos lotes

Lote 1 | 18,6km
km 0 ao km 18,6
- Trecho: Navegantes – Ilhota.
- Empresa: Consórcio Azza/Sogel.
- Valor licitado: R$ 192,9 milhões.
- Assinatura da ordem de serviço: 17 de fevereiro de 2014.
- Situação: obra em 12,11% de execução.

Lote 2 | 26,3km
km 18,6 ao km 44,9
- Trecho: Ilhota – Gaspar.
- Empresa: Consórcio Ivaí/Setep.
- Valor licitado: R$ 296,9 milhões.
- Assinatura da ordem de serviço: 23 de junho de 2014.
- Situação: 19,12% da obra já foram executados.

Lote 3 | 12,9km
km 44,9 ao km 57,8
- Trecho: Gaspar – Blumenau.
- Empresa: Sulcatarinense.
- Valor licitado: R$ 167 milhões.
- Assinatura da ordem de serviço: 18 de julho de 2013.
- Situação: foram executados 6% da obra.

Lote 4 | 15,4km
km 57,8 ao km 73,2
- Trecho: Blumenau – Indaial.
- Empresa: Sulcatarinense.
- Valor licitado: R$ 205,9 milhões.
- Assinatura da ordem de serviço: 18 de julho de 2013.
- Situação: obra ainda não começou. Faltam desapropriações.

Jornal de Santa Catarina 

 

Outras Notícias

PUBLICIDADE