Grupo de produtores garante renda com venda de cestas orgânicas

Projeto desenvolvido pela UFSC beneficia agricultores da Região da Cebola e incentiva a produção de orgânicos.

Enviar no WhatsApp
Grupo de produtores garante renda com venda de cestas orgânicas

Foto: Divulgação

 

O interesse por uma alimentação mais saudável, fez com o que um casal de aposentados da comunidade de Águas Cistalinas, Imbuia, trocasse o cultivo convencional na agricultura, pela produção de orgânicos. A migração ocorreu no ano passado, mas apesar do pouco tempo, seu Alcebíades Capistrano Ferreira, 64, e dona Renita Goedert Ferreira, 56, estão contentes pela decisão. “Nós estávamos com dificuldades para manter a propriedade, e agora já está sobrando um dinheirinho”, comenta.

Ele conta que a ideia surgiu porque não tinham mais mão de obra para cultivar outras culturas como cebola e fumo. “A gente se aposentou, os filhos foram saindo de casa, e como não temos mais gente suficiente para tocar outras produções, resolvemos plantar os orgânicos, alem de ter uma vivencia melhor, um alimentação mais saudável, a gente ainda pode beneficiar os outros”, explica

De começo o aposentado diz que faltava mercado para a comercialização do que estava sendo produzido, mas aos poucos com as novas oportunidades que foram surgindo, como por exemplo, o Projeto Células de Consumo Responsável da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com a comercialização de cestas orgânicas,  hoje já está difícil para atender toda a demanda.

Dulciane Allein Schilickmann, coordenadora da Associação de Agroecologia, Desenvolvimento e Educação Ambiental (AGRODEA), explica que  o Laboratório de Comercialização da Agricultura Familiar (LACAF / UFSC) iniciou em 2016 um trabalho de constituição de grupos de consumo responsável de alimentos agroecológicos e orgânicos na cidade de Florianópolis. “Esta iniciativa nasceu da necessidade de grupos de agricultores, como o grupo de produtores da região da cebola, viabilizarem mercados mais justos para seus produtos, associado à crescente demanda dos consumidores por alimentos mais limpos e saudáveis”, explica a ecóloga.

Sendo assim o projeto virou uma ferramenta de inovação social que promove relações de proximidade e co-responsabilidade entre agricultores e consumidores, através da venda direta de alimentos orgânicos. Para efetivar as vendas, foi criada uma espécie de rede, existe o cadastramento das pessoas que querem adquirir os produtos orgânicos semanalmente e o cadastramento dos produtores que possuem esses alimentos para serem fornecidos. “E desde o ano passado estamos fazendo parte desse projeto e temos orgulho de dizer que hoje entregamos mais de 100 cestas para a Florianópolis e o projeto já tem tido expansão aqui mesmo na Região da Cebola com a comercialização em Ituporanga e Imbuia”, conta Dulciane.

A montagem das cestas é feita na propriedade dos agricultores e são comercializadas uma vez por semana. São dois tamanhos, as pequenas de até 5kg comercializada a R$29,00  e  a grande até 8kg comercializada a R$53.00. Os produtos que compõem são diversificados e variam de acordo com a época de produção, mas são cerca  de 30 produtos diferentes que são disponibilizados pelo grupo de produtores.

Sobre a AGRODEA

A produção de orgânicos na Região da Cebola ganhou incentivo em abril de 2011 no município de Imbuia junto a Rede Ecovida de Agroecologia, quando foi criado o Grupo de Produtores Orgânicos Semear Sementes para o Futuro. Na época o grupo iniciou com oito famílias interessadas na produção. Os trabalhos tiveram seqüencia, a produção foi sendo adaptada e em outubro de 2015 a Associação de Agroecologia, Desenvolvimento e Educação Ambiental (AGRODEA), e conta hoje com 14 famílias produtoras, dos municípios de Imbuia, Ituporanga, Leoberto Leal e Vidal Ramos.

Outras Notícias

PUBLICIDADE

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Confira nossa Política de privacidade e nosso Termo de uso.

Concordo