Deputado preso volta a trabalhar na Câmara após autorização do STF

João Rodrigues (PSD-SC) foi preso em fevereiro e poderá deixar a cadeia durante o dia para exercer as atividades parlamentares.

Deputado preso volta a trabalhar na Câmara após autorização do STF

O deputado João Rodrigues (PSD-SC) (Foto: Fernanda Vivas/TV Globo)

 

O deputado João Rodrigues (PSD-SC) voltou a trabalhar na Câmara nesta segunda-feira (11).

Preso desde fevereiro deste ano, João Rodrigues poderá deixar a cadeia da Papuda durante o dia para exercer as atividades parlamentares.

Na última quinta (7), o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, autorizou o deputado a exercer as atividades parlamentares durante o dia.

Ao conceder o benefício, Barroso atendeu a um pedido da defesa de João Rodrigues. O ministro também determinou a transferência do deputado para o regime semiaberto, conforme prevê a sentença condenatória.

Rodrigues foi preso por ordem do Supremo depois de ter sido condenado a cinco anos e três meses de reclusão em regime semiaberto pelo Tribunal Regional Federal (TRF-4) por fraude e dispensa de licitação quando era prefeito de Pinhalzinho (SC).

Ao comentar o assunto, nesta segunda-feira, João Rodrigues disse que não pode "simplesmente ficar preso no regime fechado" como se fosse "um grande corrupto, como se fosse um homem que desvia milhões, no momento que o país está vivendo".

Rodrigues disse, ainda, se sentir injustiçado, além de "machucado, pisado e humilhado".

"Eu acho que a pior coisa do mundo é quando você paga pelo que você não deve. Se eu devesse qualquer coisa que fosse, eu teria renunciado ao meu mandato”, ressaltou, completando: “Eu só não abri mão para não ser um réu confesso", afirmou.

Indagado sobre como será a rotina na Câmara, João Rodrigues disse avaliar que não haverá dificuldade para a jornada de trabalho ser fiscalizada.

Ele deve chegar ao Congresso às 09h e voltar para a cadeia às 20h quando não houver sessão.

Comissão

Antes de ser preso, João Rodrigues integrava a comissão que discute a formulação do novo Código de Processo Penal.

Ao conceder entrevista nesta segunda-feira, o deputado disse que pretende voltar à comissão se for absolvido pela Justiça.

"Eu já tenho uma experiência de dentro da cadeia. Eu me torno um pouco mais conhecedor do que eu era. Porque uma coisa é fazer discurso aqui fora, a outra é você saber o que é que é estar dentro de uma cadeia, porque lá dentro é uma indústria de bandido. Lá tem uma fábrica de criminoso", afirmou o deputado.

 

Por Fernanda Vivas, TV Globo, Brasília

Outras Notícias

PUBLICIDADE