Tecnologia: 10 mitos e verdades sobre a bateria dos celulares

Tecnologia: 10 mitos e verdades sobre a bateria dos celulares

Foto: Alvarélio Kurossu / Agencia RBS

 

Nada mais dramático do que ficar sem bateria no celular quando você mais precisa. Este problema pode ser evitado seguindo alguns cuidados que ajudam a otimizar a duração da sua carga — afinal, o que importa é estar sempre disponível para ligações e mandar aquela mensagem no WhatsApp, certo?

O especialista Everton Vianna, consultor de tecnologia, elencou 10 mitos e verdades sobre o assunto, para que sua vida fique um pouco mais tranquila a respeito do seu aparelho:

1) A bateria pode ficar viciada?

Mito. Mesmo que o tempo de duração tenha reduzido com o passar do tempo, a sua bateria provavelmente não está viciada. Atualmente, os celulares fabricados costumam usar baterias de íon de lítio — ou seja, ela não vicia e pode ter cargas parciais sem estragá-las. Os equipamentos mais antigos é que tinham esse perigo, pois eram comumente feitas de níquel-cádmio.

2) A primeira carga em celulares novos ainda é necessária?

Mito. Era muito normal, entre os aparelhos antigos, ser obrigatório realizar uma carga completa antes de usar ele. Como as baterias não viciam mais, os celulares já saem de fábrica com carga parcial e não exigem uma porcentagem total para funcionar bem no início. Isso não influenciará no desempenho do aparelho.

3) Posso usar o celular até ele descarregar totalmente?

Essa é uma das piores situações que o usuário pode submeter seu celular. Por conta da tecnologia de íon de lítio, deixar o aparelho ficar completamente sem bateria faz com que ela diminua sua vida útil. Apesar do risco, muitas empresas já sabem desse problema e já fabricam seus aparelhos de forma a desligá-los quando chegam a uma carga de cerca de 5%. Com essa estratégia, a bateria não fica totalmente sem carga e sua vida útil é preservada.

4) Deixar o celular carregando por muito tempo é ruim?

Atualmente, os celulares já saem de fábrica habilitados a cortar a alimentação de energia quando chegam nos 100%, o que evita o superaquecimento. Se o carregador for original e sem defeitos, o risco é quase nulo. Mas se for um carregador aleatório, de outra marca, é melhor tomar cuidado, pois pode ocorrer uma falha na comunicação entre o acessório e o celular. Entre os riscos estão a queima do smartphone ou até mesmo uma explosão.

5) Posso usar o celular enquanto ele está carregando?

Você deve pensar que usar o aparelho enquanto ele carrega somente implicaria no tempo maior para a bateria atingir os 100%. No entanto, esse uso simultâneo pode gerar um superaquecimento prejudicial à performance da bateria e, inclusive, danificar alguns componentes do celular. O ideal é evitar aplicativos pesados durante o carregamento, como jogos. Se você perceber que o aparelho está ficando quente, desligue-o ou retire do carregador.

6) Carregadores para usar em carros danificam a bateria?

Esses carregadores não costumam performar corretamente. Além disso, oscilações, que ocorrem com o movimento do veículo, podem causar danos irreversíveis à bateria. Sempre dê preferência por carregadores originais com a mesma especificação do seu celular. Eles oferecem mais segurança e, em alguns casos, garantia de fábrica.

7) Carregadores turbo funcionam em todos os celulares?

Com mais potência que os tradicionais, os carregadores turbo completam a bateria do celular mais rápido, mas não funcionam com qualquer modelo. Estes acessórios têm um filtro que permite regular a potência de carga para não danificar o aparelho. Assim, caso o smartphone não tenha suporte para a tecnologia, ele não terá um carregamento mais veloz. Funcionará como um carregador tradicional.

8) Celular muito quente pode estragar a bateria? 

Sim! A exposição do smartphone a altas temperaturas pode drenar a bateria mais rápido e diminuir a vida útil dela. Sempre que possível evite deixar o aparelho em locais quentes. Celular e sol não combinam.

9) Baterias podem explodir?

Não é comum, mas podem, sim. Lembra dos casos envolvendo Galaxy Note7, no fim de 2016? As explosões possivelmente ocorreram por erros de engenharia cometidos pelo fabricante, mas o mau uso da bateria também pode provocar explosões. Caso você perceba um superaquecimento fora do normal, deixa de usar a bateria. Só assim você evitará incidentes. 

10) A bateria perde força com o tempo?

Sim. Como ocorrer com qualquer equipamento, há um desgaste natural das peças, o que provoca uma perda de rendimento da bateria com o passar do tempo. Estima-se que, em média, a vida útil de uma bateria é de um ano. Depois disso, é natural que o desempenho seja reduzido. 

 

Por Diário Catarinense

Outras Notícias

PUBLICIDADE