Reforma trabalhista: imposto sindical não será obrigatório a partir de 2018

Trabalhador terá de autorizar o desconto, que corresponde a um dia de trabalho, já a partir do próximo ano.

Reforma trabalhista: imposto sindical não será obrigatório a partir de 2018

Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

A folha de pagamento de março do ano que vem terá um desconto a menos para todos os trabalhadores empregados, sindicalizados ou não. Trata-se de outra mudança da reforma trabalhista aprovada pelo Senado e sancionada pelo presidente Michel Temer nesta quinta-feira (13): o fim do imposto sindical obrigatório.

Na folha referente a este mês, todos os anos, os empregados eram obrigados a contribuir com o equivalente a um dia de trabalho. O desconto era feito pela empresa no contracheque de abril. A tributação estava prevista nos artigos 578 e 591 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Mas esses artigos foram alterados, e o governo não voltará atrás, como chegou a se cogitar, criando um fim gradual para o imposto. O fim será imediato e total. De acordo com a Casa Civil da Presidência da República, a lei entra em vigor em quatro meses: no mês de novembro. Portanto, o imposto não poderá ser cobrado automaticamente em 2018. 

O trabalhador que desejar manter o desconto terá de permitir isso de forma expressa, por escrito. Por isso, a Casa Civil aconselha que os trabalhadores confiram as folhas de pagamento de março e, havendo desconto sem autorização, reclamem junto ao sindicato e ao empregador.

 

IMPOSTO SINDICAL

Como era:

– O empregador descontava uma vez por ano, na folha referente a março, de todos os trabalhadores, sindicalizados ou não.
– Correspondia a um dia de salário, equivalente a 1/30  da quantia recebida no mês anterior. O valor ia para os sindicatos.
– Se o salário do trabalhador era de R$ 1 mil, o desconto anual era de R$ 33

Como fica:

Trabalhadores com carteira assinada:
– Acaba a obrigatoriedade do imposto sindical.
– O valor, agora com o nome de contribuição, é opcional e pode ser de qualquer valor.
– O desconto só ocorrerá se o empregado autorizar expressamente, em documento assinado, junto ao sindicato e à empresa.
– Sem isso e se ocorrer desconto nessa data, se trata de uma ilegalidade.
– O trabalhador deverá exigir a devolução imediata e a Justiça pode ser acionada.

Autônomos:

– O recolhimento da contribuição sindical dos trabalhadores autônomos e profissionais liberais será no mês de fevereiro, também com necessidade de autorização prévia e expressa.

Empregadores:

– Os empregadores que optarem por recolher o imposto sindical para a entidade do setor do qual fazem parte deverão fazer isso no mês de janeiro de cada ano. Este recolhimento também não será mais obrigatório.

 

Por Jornal de Santa Catarina

Outras Notícias

PUBLICIDADE